Dom Luiz Antonio Lopes Ricci celebra 25 anos de sacerdócio e 5 anos de episcopado

Diocese de Nova Friburgo, 19 de julho de 2022
Acessos: 558


Celebrações realizadas em Bauru, Nova Friburgo e Niterói marcam os festejos

 

Rendendo ação de graças por todas as maravilhas que o Bom Deus realiza por meio de seu ministério, Dom Luiz Antonio Lopes Ricci presidiu Missas pelos seus 25 anos de sacerdócio e 5 anos de episcopado. Em 10 de julho, Dom Ricci completou 25 anos de sacerdócio, e, em 16 de julho, 5 anos de episcopado. As cerimônias foram realizadas em Bauru e Nova Friburgo. Na Arquidiocese de Niterói, na qual Dom Ricci permaneceu como Bispo Auxiliar entre 2017 e 2020, haverá Missa em 19 de julho, às 12h.

 

Celebração em Bauru

Na manhã de 9 de julho, Dom Luiz Antonio presidiu a Missa Jubilar no Santuário Nossa Senhora de Fátima, em Bauru/SP, sua Diocese de origem. Dom Rubens Sevilha, Bispo de Bauru, pregador deste dia, acolheu o jubilando recordando que neste mesmo local há 25 anos, ele era ordenado presbítero. Dom Caetano Ferrari, Bispo Emérito de Bauru, Bispo principal da Ordenação Episcopal de Dom Ricci, também estava presente na Missa Jubilar, assim como diversos presbíteros das Dioceses de Bauru e Nova Friburgo.

Uma caravana da Catedral Diocesana São João Batista de Nova Friburgo, acompanhada pelo Vigário Geral e Pároco da Catedral, Pe. Jorge Eduardo Coimbra do Almo, dirigiu-se até Bauru para participar da Missa Jubilar. Pe. José Maria Cavalcante acompanhado por outros amigos de Dom Luiz também da Diocese de Nova Friburgo participaram da cerimônia.

 

Durante a pregação, Dom Rubens Sevilha enfatizou que “estamos aqui hoje para agradecer”, e foi além.

- A palavra gratidão tem a mesma origem da palavra agradável e sugere o quão é agradável receber algo que estamos muito necessitados. E São Paulo completa: se há alegria em receber, a alegria será muito maior em doar. Portanto, se temos uma sensação agradável ao sermos ajudados, que faz brotar espontaneamente a gratidão, sensação agradável infinitamente maior preenche o nosso coração quando ajudamos os outros. Dom Bosco dizia que Deus nos colocou neste mundo para os outros. E que verdade! Deus nos colocou neste mundo para os outros. Todo ser humano, querendo ou não, está neste mundo para os outros e só será feliz e realizado quando cumprir essa missão de ser para os outros. Viemos aqui hoje para agradecer e rezar pelo Dom Ricci, agradecer e rezar com o Dom Ricci. Agradecer por tudo aquilo que ele fez pela causa de Deus, por todo o bem realizado, às vezes de maneira invisível, que aliás é o bem mais puro e verdadeiro – enfatizou o Bispo de Bauru.

“Somente Deus tem a medição exata de todo bem realizado por Dom Ricci nestes 25 anos de sacerdócio. E todos nós pastores sabemos que Deus fez e faz através de nós muito mais do que podemos perceber e imaginar... Hoje queremos agradecer não só o que Dom Ricci fez para Deus, mas o que Deus fez para Dom Ricci. A nossa gratidão primeira vai para Deus e para a Mãe de Deus... Com Ela, a Virgem Santíssima, podemos cantar: o Senhor fez em nós maravilhas”, refletiu Dom Rubens.

Antes dos minutos finais, Dom Luiz Antonio recebeu o carinho e a homenagem dos clérigos e amigos. Para esta cerimônia foi convidado o grupo de canto São Judas Tadeu, mesmo grupo que animou a Missa na qual Dom Luiz Antonio foi ordenado presbítero, há 25 anos, e entoaram, inclusive, os mesmos cantos da Missa de sua ordenação.

Dom Luiz Antonio agradeceu a todos por tudo e por tanto. E citou um trecho do Salmo 113: “Não há nós Senhor, não há nós. Ao vosso nome, porém, seja a glória, porque sois todo amor e verdade”.

 

Missa Jubilar em Nova Friburgo

 Realizada em 16 de julho, Dia de Nossa Senhora do Carmo, a cerimônia aconteceu no Centro de Nova Friburgo, município sede da Diocese pastoreada por Dom Luiz Antonio. Bispos, presbíteros das Dioceses de Nova Friburgo e Bauru, diáconos, religiosas, leigas consagradas, autoridades civis, familiares e amigos, de perto e de longe, uniram-se ao querido Dom Luiz neste dia festivo.

 

Iniciando a cerimônia, o jubilando saudou os Bispos ali presentes: Dom Alano Maria Pena, OP, segundo Bispo a pastorear a Diocese de Nova Friburgo hoje Arcebispo Emérito de Niterói; Dom Gregório Paixão, Bispo de Petrópolis; Dom José Ubiratan, Bispo de Itaguaí; Dom Tarcísio Nascentes; Bispo de Duque de Caxias, representando na ocasião os Bispos do Regional Leste 1 da CNBB.

Coube a Dom Alano a pregação. Com a sabedoria tão conhecida pelos diocesanos de Nova Friburgo, Dom Alano conduziu a homilia. Primeiramente, enfatizou que o Senhor falou com cada um por meio das leituras deste dia.  

- Ele falou uma palavra importantíssima para entrar em nosso coração e nortear a nossa conduta como Igreja de Deus hoje, no mundo atual. Uma palavra que deve trabalhar nossa mentalidade, espírito, nossos olhos para enxergar com o coração e com os olhos, onde estamos, com quem transitamos nas estradas da vida. Por isso, colocou de início a figura de sua Mãe Ela nos traz hoje aqui como Mãe querida para o encontro com seu Filho. Ela sabe que tudo em nossa vida é Ele, por Ele e para Ele. Quem melhor do que Ela fez a vontade de Deus? Ninguém. Desde a anunciação aquele momento de total entrega definitiva: faça-se em mim, segundo a vossa palavra. Ponto, compromisso total. A partir daí foi desenvolvendo o projeto de Deus na sua vida, na encarnação redentora, no nascimento do Senhor, Seu crescimento, no mistério de Sua Paixão, lá estava Ela, ao pé da cruz – refletiu.

7 8 9

 

Falando a respeito da promessa de obediência que todo sacerdote faz no dia de sua Ordenação Presbiteral, Dom Alano prosseguiu. “Podemos sentir que nós pastores temos, acima de tudo, um dever sagrado de sinalizar no meio da Igreja o que significa esta obediência total, inesgotável a Jesus Cristo, e onde esta obediência nos conduz. Por isso, querido irmão Dom Luiz Antonio, nós louvamos a Deus, porque ao longo de 25 anos o senhor vem dando este testemunho como pastor e ajudando tantas pessoas a encontrarem este caminho, que é a suprema e única realização de todos nós”.

Fazendo menção à Primeira Leitura, a Profecia de Zacarias (Zc 2,14-17), o pregador refletiu.

 - Vejam bem, tudo isto que Jesus falou através de Zacarias: o júbilo, a alegria, deve fazer parte de nosso cotidiano. Num mundo triste, acabado, estressado, quebrado, somos enviados como fonte de alegria. Nada de stress, de pessimismo, aquele que é a alegria profunda está dentro da nossa vida e nos envia. Esse júbilo todo que o Senhor nos expressa foi o júbilo que Jesus semeou. No mundo de hoje estamos rodeados de pessoas pessimistas, cujo projeto de vida é horizontal, não têm a mínima dimensão vertical para o Senhor, aliás Ele está cada vez mais varrido do horizonte, eliminado das relações humanas do comportamento do cotidiano... E nós estamos aí. E Ele nos escolheu e nos plantou hoje, nem ontem, nem amanhã, hoje. E nesse hoje nos confrontamos diariamente, às vezes até dentro das nossas famílias, do nosso trabalho, do nosso dia a dia, com a humanidade completamente vazia e querendo nos esvaziar.

 

Dom Alano concluiu, enfatizando que “um pastoreio como o de nosso querido Dom Luiz Antonio, comprometido como sinalização de Jesus Cristo, questionando esta estrutura, nós louvamos a Deus por isso! Para todos nós é encorajamento também”. E completou. “Certamente ao longo desses 25 anos, Dom Luiz Antonio encontrou na Eucaristia toda coragem, força e ânimo para caminhar com o povo de Deus”.

Durante os festejos de seu Jubileu em Nova Friburgo, Dom Luiz Antonio recebeu o carinho em forma de homenagem prestadas pelos Bispos do Regional Leste 1 da CNBB, representados por Dom Tarcísio Nascentes, Bispo da Diocese de Caxias e Secretário deste Regional; pelo Deputado Federal Hugo Leal; pelo Prefeito de Nova Friburgo, Johnny Maycon; pelos seus familiares, representados por sua irmã Sandra; pelos leigos e leigas da Diocese, representados por Dona Luciana, da Paróquia Nossa Senhora do Rosário - Nova Friburgo; e pelo Clero representado pelo Pe. Marcus Vinícius Falcão. O Vigário Geral da Diocese de Nova Friburgo, Pe. Jorge Eduardo Coimbra do Almo, também dirigiu algumas palavras ao Epíscopo e lhe presenteou, em nome de toda a Diocese.

 

Dom Luiz Antonio agradeceu a todos pelas palavras, mensagens de carinho, entre outros. Por fim, enfatizou que o lema escolhido para seu episcopado “O Senhor fez em mim maravilhas” (Lc 1, 49), recordando que o Senhor fez em sua vida maravilhas. O Prelado recordou a ocasião de sua posse, ocorrida em 2020, durante o período mais crítico da pandemia, com a presença de apenas 15 pessoas, e louvou ao Bom Deus por permitir que em seu Jubileu o clero, seus familiares, amigos e diocesanos pudessem estar presencialmente unidos na mesma intenção.

 

Missa na Catedral de Nova Friburgo

 Em Nova Friburgo, houve ainda no domingo (17/7), às 10h, Missa em ação de graças pelo Jubileu de Dom Luiz Ricci na Catedral Diocesana São João Batista, com a presença da caravana vinda de Bauru para a festividade e dos familiares de Dom Luiz Antonio.

 

- Estou aqui para coroar os festejos do meu jubileu sacerdotal. No dia 4 de julho celebrei dois anos de posse como Bispo Diocesano, dia 10 de julho, 25 anos de padre e ontem (16/7), cinco anos de Bispo. Faltava a Missa aqui na Catedral, Igreja Mãe. Hoje com vocês eu coroo este percurso, embora ainda tenha a Missa festiva na Catedral de Niterói... Aqui estamos para agradecer a Deus. Trago no coração e no altar todas as pessoas que colaboraram comigo, na preparação do Jubileu na Diocese de Bauru e aqui – declarou Dom Luiz.

Texto:Grasiele Guimarães
Foto:Pascom da Diocese de Bauru e Grasiele Guimarães (Ascom da Diocese de Nova Friburgo)

 


Compartilhe