“Crisma é envio, é compromisso”, exorta Bispo em Crisma na Paróquia São Roque, no Domingo da Misericórdia

Diocese de Nova Friburgo, 02 de maio de 2022
Acessos: 159


No dia em que a Igreja celebra a Festa da Divina Misericórdia, o 2º Domingo do Tempo Pascal, o Bispo Diocesano Dom Luiz Antonio Lopes Ricci, presidiu a Missa na Paróquia São Roque, em Olaria – Nova Friburgo. Em 2022, a data foi celebrada em 24 de maio, e tornando-a ainda mais simbólica, houve a Crisma de dezenas de jovens e adultos da comunidade paroquial.

Outro importante marco deste dia foi a benção e inauguração do Memorial pelas vítimas da Covid-19, afixado próximo à entrada do templo. A feliz iniciativa ganhou forma por meio da doação de máscaras de proteção ofertadas por diversos paroquianos, que ficarão expostas no local. Durante a homilia Dom Luiz Antonio agradeceu ao Pároco e concelebrante, Pe. Alexandre Albuquerque, pela concretização deste Memorial.

 

“Neste Domingo da Misericórdia temos que agradecer à feliz iniciativa do padre e da paróquia deste Memorial pelas vítimas da pandemia, recordando aqueles que faleceram, os que enfrentam as sequelas e consequências da Covid, as famílias enlutadas”, disse Dom Luiz Antonio recordando ainda as dificuldades econômicas enfrentadas por muitas famílias.

Falando a respeito da Misericórdia Divina, o Bispo recordou que este é o dia propício para “pedirmos a Misericórdia de Deus para nós e pelo mundo inteiro. Não é assim que rezamos? Vamos pedir ao Senhor a graça de sermos misericordiosos assim como Ele é. Mas, o que é ser misericordioso? É saber pedir perdão e perdoar a quem nos ofendeu”, sinalizou.

 

Prosseguindo, agradeceu ao Pároco pela iniciativa de agendar essa Crisma, justo no Domingo da Misericórdia. “O Tempo Pascal é, por excelência, o tempo propício para os Sacramentos da Iniciação Cristã. Que bom podermos estar aqui no primeiro dia da semana, o domingo”, disse parabenizando catequistas e catequizandos pela perseverança em tempos de pandemia.

- Vocês vão receber o mesmo Espírito Santo que Jesus transmitiu aos seus discípulos naquele Domingo de Páscoa. A Crisma, o Sacramento da Maturidade Crista, da confirmação da fé em Jesus Cristo. Vocês vão receber o Espírito Santo e dizer: eu quero ser cristão, quero ser um sinal de Jesus, um sinal de luz no mundo, quero me deixar conduzir pelo Espírito Santo e seus dons. Cada um de nós é habitação do Espírito Santo, Ele é o amor, ou seja, cada um de nós é habitação do amor – enfaziou.

Aos padrinhos, destacou o privilégio por terem sido escolhidos, enfatizando o grande compromisso e missão assumidos perante seus afilhados.

- Padrinhos, juntamente com a honra de ser escolhido vem o compromisso de acompanhar os afilhados. Como? Primeiramente com a oração; segundo: demonstrando proximidade, estar ao lado deles nas situações de alegria e dor. Vocês crismandos poderão contar com vossos padrinhos; terceiro: testemunho, participando na comunidade, sendo um sinal de Deus na Igreja e no mundo.

 

Ao mergulhar na rica liturgia deste dia, refletiu pontos importantes de cada leitura. Falou a respeito da paz anunciada por Jesus, recordando que precisamos ser instrumentos de paz; mencionou o primado de Pedro, assim como a graça que João, o Discipulo Amado, teve em ver Jesus Ressuscitado.

 Por fim, voltou-se novamente aos crismandos e exortou. “Crisma é envio, é compromisso. Vocês vão receber o Dom do Espírito Santo para continuar sendo sinal de Deus no mundo... Jesus nos envia, nos confirma, nos capacita pelo Dom do Espírito Santo”.

Após a homilia teve início o Rito da Crisma. Ao final da Santa Missa, o Bispo abençoou o Memorial pelas vítimas da pandemia de Covid-19. E antes da benção final, houve uma homenagem da comunidade aos catequistas.

 

Texto:Grasiele Guimarães
Foto:Grasiele Guimarães

 


Compartilhe