Bispo preside Missa de abertura do Mês Mariano Diocesano

Diocese de Nova Friburgo, 02 de maio de 2022
Acessos: 281


Resgatando a sua história e motivando ainda mais a devoção à padroeira diocesana, Nossa Senhora da Conceição, a Diocese de Nova Friburgo inaugurou, em 29 de abril – Memória Litúrgica de Santa Catarina de Senna, o Mês Mariano Diocesano, celebrando os 60 anos de sua consagração à Imaculada Conceição. A abertura oficial deste tempo mariano deu-se na Catedral Diocesana São João Batista, em Nova Friburgo, em Missa presidida pelo Bispo Diocesano, Dom Luiz Antonio Lopes Ricci, com transmissão AO VIVO pelas redes sociais (https://www.youtube.com/watch?v=EsWQoO85FCY&t=12s).

Logo após o Ato Penitencia, todos acolheram as três imagens peregrinas da Imaculada Conceição, uma correspondente à cada Vicariato Episcopal. Elas percorrerão as paróquias da Diocese entre 30 de abril e 27 de maio. Haverá uma pausa na peregrinação somente entre os dias 16 e 20 de maio, devido ao Retiro do Clero, em Aparecida (SP); e 21/05, quando as imagens estarão na Romaria Diocesana ao Santuário Nacional de Aparecida. A peregrinação acontecerá até o dia 27, quando as imagens serão transladadas para a Missa da renovação da Consagração da Diocese à Imaculada Conceição, na Paróquia Nossa Senhora da Piedade, em Cordeiro, mesma ocasião da Ordenação Presbiteral do Diácono Transitório, César Agostinho Júnior.  

 

Saudando o clero e o povo de Deus, Dom Luiz Antonio deu início à pregação nesta noite festiva. Primeiramente, reforçou a celebração do Mês Mariano Diocesano, lembrando que maio já é, por excelência, o tempo dedicado a Nossa Senhora.

- Queremos neste mês de maio intensificar as nossas orações, nos aproximar mais de Maria, Nossa Mãe, mas com o olhar naquele 27 de maio de 1962, quando Dom Clemente Isnard, nosso primeiro Bispo consagrou a nossa diocese a Nossa Senhora da Imaculada Conceição, nossa padroeira principal. Por esse motivo, estamos chamando de Mês Mariano Diocesano, pois temos algo a mais neste mês. Preparamos uma programação bastante rica, que vai nos ajudar a recordar e vivenciar esse mês, com muita gratidão no coração, agradecendo as maravilhas que Deus realizou em nós e por meio de nós, de modo especial em nossa Diocese.

Dirigindo-se ao Pe. Marcus Vinícius Moreira Falcão, sacerdote que impulsionou a realização deste Mês Mariano Diocesano e o resgate histórico desta consagração da Diocese à Imaculada Conceição, o Bispo falou. “Agradeço ao Pe. Marcus Vinícius Falcão que, com muito zelo e generosidade, preparou a nossa programação. A minha primeira palavra é de gratidão, pois, a partir desta programação vamos poder vivenciar de modo sinodal, caminhando juntos, esse Mês Mariano Diocesano”.

 

Pincelando um pouco da programação que dará vida ao Mês Mariano Diocesano, o Bispo enfatizou.

- Vamos ter no início de maio, a Consagração da Marcele, como Leiga Consagrada (07/05). Depois, o Retiro do Clero na Casa da Mãe Aparecida (16 a 20/05) e, no dia 21/05, estaremos todos lá para a nossa Romaria Diocesana. E, em 27 de maio, o grande dia, lá em Cordeiro, na Santa Missa na qual vamos Ordenar Sacerdote o querido Diác. César, neste dia vamos renovar a Consagração realizada há 60 anos por Dom Clemente.

Prosseguindo, Dom Luiz Antonio manifestou um desejo.  

- Quero desejar um frutuoso Mês Mariano Diocesano para todos nós. Que traga bons frutos! Que por Maria possamos chegar e permanecer unidos a Jesus, como Ela mesma pediu nas Bodas de Caná: façam tudo o que Ele vos pedir. Maria nos ajuda a fazer a vontade de Deus, Ela que se define como a Serva do Senhor. Esse é o único título que Maria dá a si mesma. E nós também como servos, colaboradores do Senhor, nesta Igreja Particular, nesta Diocese, queremos colocar a nossa vida, nossos dons a serviço da evangelização, do crescimento humano, espiritual do nosso povo. Um frutuoso, sereno Mês Mariano Diocesano. Que todos se envolvam na programação e façam tudo com muito amor e por amor a Jesus, a Nossa Senhora, a nossa Diocese e à Igreja.

Por fim, propôs uma reflexão. “Que este mês de maio seja um momento de discernimento para nós. Olhando para Nossa Senhora, para Santa Catarina de Senna, possamos nos perguntar: qual é o meu papel nesta diocese? Tenho imitado Jesus nas situações de conflito ou não? Tenho sido um sinal de unidade, tolerância, respeito ou não?”.  

 

Antes da oração da consagração, Dom Luiz Antonio convidou à fala o Pe. Marcus Vinícius Moreira Falcão, que transmitiu à comunidade um breve histórico acerca da Consagração da Diocese à Imaculada Conceição.

- Celebrar o Mês Mariano Diocesano é, em primeiro lugar, render graças a Deus por nos ter dado como mãe, a Sua Mãe. Também é celebrar uma pequena e significativa parte da história da nossa Diocese. Em 1960, por um desígnio do Deus Bom e Clemente foi criada a Diocese de Nova Friburgo. O que chamava a atenção nessa jovem diocese era o grande número de paróquias e comunidades dedicadas à Virgem Maria, chamava mais atenção o fato de que, naquela época, o único título da Virgem Maria que se repetia nos três Vicariatos era: Nossa Senhora da Conceição, em diversas paróquias. Foi por conta disso que, por Breve Apostólico de 3 de junho de 1961, o Papa São João XXIII decretou que a Diocese de Nova Friburgo teria como padroeira a Imaculada Conceição. Não bastava apenas dizer isto no papel, era necessário também levar ao coração das pessoas. Foi então que nosso primeiro Bispo, Dom Clemente, pegou a imagem de Nossa Senhora da Conceição, de Rio das Ostras, que até então era uma capela, mas possuía a imagem da Imaculada Conceição mais antiga da diocese, e realizou uma peregrinação com participação de todas as paróquias. Depois, em maio de 1962, a imagem chega a Nova Friburgo. Faz-se uma procissão desde a Paróquia Nossa Senhora das Graças até a Catedral, para assim fazer um tríduo e no último domingo de maio de 1962, uma Missa Campal, diante de 20 mil pessoas, que era algo raro de se ver naquela época, a Diocese então, através das palavras de nosso primeiro Bispo e com todo o povo de Deus ali presente era consagrada à Imaculada Conceição. Sempre esteve presente a intercessão materna de Nossa Senhora ao longo da história de nossa Diocese – descreveu.

O presbítero recordou ainda que os sucessores de Dom Clemente Isnard também traziam consigo e transmitiam à comunidade diocesana a devoção mariana.

 

Antes da bênção final, o Bispo Diocesano recitou a oração da Consagração da Diocese de Nova Friburgo à Imaculada Conceição, oração composta por Dom Clemente Isnard, para a Consagração em 27 de maio de 1962. Em seguida, abençoou as três imagens peregrinas e as entregou a cada Vigário Episcopal.

 

Consagração da Diocese de Nova Friburgo à Imaculada Conceição

Oração composta por Dom Clemente José Carlos Isnard, OSB, em 27 de maio de 1962

 

Virgem Mãe de Deus, Senhora da Imaculada Conceição, nós renovamos solenemente a consagração desta nossa Diocese de Nova Friburgo. Queremos ser vossos para sempre, elegendo-Vos como Rainha, Padroeira e Advogada nossa, confiando-vos todas as nossas esperanças terrenas e celestes, entregando-Vos tudo o que somos e tudo o que possuímos. Vós que sois o modelo e a mais pura realização da Igreja de Cristo, alcançai de Deus que a Diocese de Nova Friburgo se torne, cada dia mais, uma verdadeira comunidade cristã, onde se adore a Deus em espírito e verdade, e os irmãos se amem mutuamente, sem acepção de pessoas, na caridade de Cristo. Com Vossa poderosa intercessão e Vosso imenso amor materno purificai e santificai a Igreja de Nova Friburgo. Modelai-a à vossa semelhança, ó Maria Imaculada, e que seja assim mais agradável a Deus e mais aos insondáveis desígnios da Divina Misericórdia a seu respeito. Como antecipaste nas Bodas de Caná a hora do primeiro milagre de Cristo, alcançai desde já operários para a messe, que é tão grande, que venham mais sacerdotes, que as nossas vocações sacerdotais amadureçam nos Seminários, que se organize eficazmente o apostolado leigo! Vós que sois nosso amor, nossa confiança e nossa glória. Cercai-nos, pois, de proteção; ajudai nossa fraqueza; tende piedade de nossas quedas. Guardai-nos, Mãe Santíssima, qual estrela do mar sempre luminosa, através das sombras da terrena peregrinação até às claridades eternas, na Casa do Pai. Ó clemente, ó piedosa, ó doce Virgem Maria, fazei-nos Vossos totalmente, para que sejamos totalmente de Cristo e por Cristo, de Deus. Amém. 

 

Texto:Grasiele Guimarães
Foto:Grasiele Guimarães

 


Compartilhe