Bispo preside Missa em honra a Nossa Senhora Aparecida, em comunidade de Nova Friburgo

Diocese de Nova Friburgo, 20 de outubro de 2021
Acessos: 227


“Hoje é dia de festa, celebramos a Solenidade de Nossa Senhora Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil”. Com essas palavras, Dom Luiz Antonio Lopes Ricci iniciou a Santa Missa de 12 de outubro, Dia dedicado à Mãe Aparecida. Nesta data, o Bispo Diocesano de Nova Friburgo presidiu a celebração na Capela Nossa Senhora Aparecida, no Catarcione – Nova Friburgo, na presença de fiéis devotos da padroeira desta nação.

O Vigário Episcopal Sede e Pároco local, Pe. Gelcimar Petinati, concelebrou nesta ocasião. Devido ao atual momento pandêmico, para que os fiéis pudessem participar diversas celebrações aconteceram ao longo do dia, iniciando às 8h e concluindo às 18h. Também houve carreata na parte da tarde. A Missa presidida por Dom Luiz Antonio aconteceu às 10h, sendo transmitida AO VIVO pelas redes sociais da Diocese de Nova Friburgo.

 

Ao começar o Bispo declarou. “Queremos agradecer a Deus a intercessão de Nossa Senhora por nós, Ela que nos acompanha pelas estradas da vida. estamos todos caminhando em direção à casa do Pai”.

- Ao chegar fui fazer as minhas orações diante de Nossa Senhora Ela está com um manto bem grande... Olhando para esse manto me recordei que a minha irmã Sandra, certa vez, me deu só o manto de Nossa Senhora. Achei tão bonito! Depois ganhei a imagem, mas primeiro o manto. Ela me dizia: é para você ficar protegido debaixo do manto. E vendo esse manto tão grande, tão bonito, queremos também encontrar o nosso lugar debaixo dele. Nosso desejo é esse! Celebrar a festa da Mãe Aparecida é saber que temos um lugar debaixo desse manto, estamos todos abrigados, protegidos debaixo do manto de Nossa Senhora. Que possamos, a partir da nossa fé e de tantas graças que recebemos de Deus e de Nossa Senhora, também ser um manto para os outros, abrigo, estender a mão, acolher, ajudar – ensinou.

 

Trazendo para o coração da Mãe as dores do povo brasileiro acrescentou. “Estamos celebrando Nossa Senhora Aparecida ainda na pandemia, com mais de 600 mil mortos, com pessoas ainda internadas, contaminadas. A situação é bastante preocupante, mas estamos aqui celebrando a Nossa Mãe Aparecida, rezando pelo Brasil, pelo nosso povo, sobretudo por aqueles que mais sofrem, sofrimento esse agravado pela pandemia”.

Remetendo-se ao Evangelho de João, capítulo 2, narrativa das Bodas de Caná, recordou a intercessão de Maria e indagou aos participantes. “Será que as minhas talhas estão vazias? Como estou hoje: vazio ou cheio? Se estou cheio, estou cheio de que? Se estamos cheio de muitas coisas que não agradam a Deus, vamos pedir que Jesus toque e transforme tudo isso que está em nós e na sociedade em vinho bom, razão da nossa alegria... Não estamos neste mundo apenas para desfrutar da festa, mas para não deixar que a festa acabe”.

 

Encaminhando-se para o término da pregação, incentivou os participantes. “Devemos fazer tudo o que Ele nos disser. Hoje há muito barulho, muitas palavras, mas devemos sempre fazer o que Jesus faria em cada situação”.

Nos instantes finais, a comunidade agradeceu à presença do Bispo e o agraciou com um presente. O Pároco manifestou sua gratidão a Dom Luiz Antonio pela presença e carinho paterno com esta comunidade.

Texto:Grasiele Guimarães
Foto:Grasiele Guimarães

 


Compartilhe