NORTE: Paróquias do Vicariato festejam dia da Padroeira do Brasil

Diocese de Nova Friburgo, 17 de outubro de 2020
Acessos: 221


Em 12 de outubro, as comunidades do Vicariato Episcopal Norte realizaram diversas atividades em louvor à Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida. Confira como aconteceram as programações nas diferentes localidades.

 

Paróquia Nossa Senhora da Piedade – Cordeiro

A Paróquia Nossa Senhora da Piedade, em Cordeiro, a qual possui uma comunidade dedicada a Nossa Senhora Aparecida, celebrou com devoção e amor a solenidade deste dia 12 de outubro. Na presença dos presbíteros Pe. Arnaldo Leite de Carvalho e Pe. Rodolfo Rodrigues Leite, foram celebradas Missas atendendo às medidas de segurança com o número reduzido de fiéis no templo e transmitidas pelas redes sociais da Paróquia. 

Na missa celebrada pelo Pe. Rodolfo, sua homilia nos conduziu à reflexão do olhar atento de Nossa Senhora às nossas necessidades:

- Seja qual for o vinho que esteja faltando em sua vida, esteja passando por um momento de dificuldade sendo ela financeira, sofrimento, doença, o que for, a Virgem Maria está lá intercedendo e não vai deixar faltar o vinho na vida de vocês. Uma coisa devemos colocar em nossa cabeça, e isto está na Palavra de Deus: “fazei tudo o que Ele vos disser”. É sinal de obediência ao Filho. Nós temos que seguir a vontade de Deus sempre, porque muitas são as vezes que queremos seguir nossa própria vontade caindo no egoísmo, vivendo em nosso mundo e esquecendo que existe um Deus que cuida de nós... Vamos pedir a intercessão da Virgem Maria, a Senhora Aparecida neste dia de hoje, que possamos ser a cada dia fiéis a Deus, fiéis a nossa Mãe, para um dia alcançar o que Deus deseja para cada um de nós que é estar junto Dele e da nossa Mãe na Jerusalém Celeste.

 

Já o Pe. Arnaldo, em sua homilia, nos levou a refletir sobre o caminho da humildade, pequenez e obediência da Virgem Maria.

- A Senhora de Aparecida quis assemelhar-se ao nosso povo, quis assemelhar-se à nossa pequenez e simplicidade. Ela olhou por aqueles noivos nas Bodas de Caná, Ela olhou por aqueles três pescadores. Eles desesperados, porque nada pescavam, no fundo foram pescados pela devoção à Santíssima Virgem. Bendita pesca! Gloriosa pesca! Que não lhes dera somente peixes, mas lhes dera o sentido da fé... Os ricos brocados de Maria são a sua humildade, sua pureza, sua simplicidade e sua pequenez. Ó nós que não temos a veste para estar nesse casamento! Ó nós indignos que ao entrar nesse Banquete do casamento de Cristo conosco, Sua Igreja, peçamos a Ela, a Rainha, que nos empreste seu manto simples e humilde ensinando-nos a fazer-nos pequenos como Ela e podermos dizer um dia “o Todo Poderoso faz em nós maravilhas”. Sim, convidados para este banquete, somos nós levados ao salão de festa pela própria Rainha, a Mãe. Para sermos atendidos por Ela, resta-nos apenas um caminho: o da humildade, da simplicidade e da obediência. Que a Senhora de Aparecida, nossa Mãe, Rainha e Padroeira, alcance de Deus, Nosso Senhor, todos os benefícios necessários para este momento e para nossa eterna salvação.

Em honra à Rainha e Padroeira do Brasil, foi realizada uma piedosa procissão na qual o carro com a imagem de Nossa Senhora Aparecida passou pelas ruas da cidade, sendo recebido pelos fiéis que aguardavam em frente as suas casas com altares, flores e corações devotos e gratos à Senhora de Aparecida.

 

Santuário Diocesano do Santíssimo Sacramento – Cantagalo

Com imensa alegria e devoção, o Santuário Diocesano do Santíssimo Sacramento celebrou, em 12 de outubro, a Festa de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil. Em comemoração a este dia tão importante, foram celebradas três Missas presenciais no Santuário, com número limitado de fiéis.

Em suas homilias, Pe. Higor Moraes de Jesus, Pároco e Reitor do Santuário, com belíssimas palavras, destacou a poderosa intercessão da Virgem Maria, que sustenta a todos em suas lutas diárias e, em especial, o povo brasileiro em sua missão e vocação de ser a “Terra da Santa Cruz”. Concluiu com as seguintes palavras: “Se contarmos com a intercessão de Maria, obedecermos a Jesus Cristo e colocá-lo no centro de nossas vidas, seremos felizes e, assim, o Brasil será uma nação feliz e grandiosa”.

 

Ao final de cada Missa, Pe. Higor, junto com os fiéis, fez a consagração a Nossa Senhora Aparecida, colocando diante dela todas as intenções, necessidades e, em especial, o Brasil.
Após da Missa das 9h, a qual foi transmitida ao vivo, Pe. Higor saiu em procissão com a imagem de Nossa Senhora Aparecida, passando pelas principais ruas da cidade.

 

Paróquia Nossa Senhora do Livramento – Valão do Barro

Na Capela de Nossa Senhora Aparecida, situada na RJ 116, próxima à Ipituna, no território da Paróquia Nossa Senhora do Livramento, aconteceram as live’s com a Novena da Padroeira de 3 a 11 de outubro. No dia da padroeira (12/10), houve a Santa Missa Campal de acordo com os protocolos da Organização Mundial da Saúde, e também transmitida ao vido pela rede social da paróquia.

 

O Pe. Barttolomeu de Oliveira iniciou sua homilia saudando a todos os presentes e aos que acompanhavam a transmissão ao vivo pela rede social da paróquia… Na oportunidade, falou sobre a importância de nos reunirmos na casa da mãe, dizendo também da tamanha honra para o país em ter Nossa Senhora Aparecida como Padroeira Nacional. Também falou que um dos aprendizados para o momento atual que a humanidade vive é trabalhar dentro de cada um de nós o amor ao próximo, e não um momento de terror e medo, pelo contrário, é preciso ter respeito, cuidado e fé, pois precisamos nos cuidar pelo amor ao outro, e lembrou que na família não se pode faltar amor.

O sacerdote ressaltou ainda que Maria não é deusa e não faz milagre, mas ela é a Mãe de Jesus que tudo pode. Maria é aquela que aponta para o Cristo. Por fim, acrescentou que na Imagem de Nossa Senhora Aparecida podemos ver a Mistura étnica do povo brasileiro, lembrando que como filhos de Maria, somos irmãos em Cristo, e encerrou dizendo que sem Deus não nada somos!

 

Paróquia São João Batista – Macuco

Nesse 12 de outubro, dia da solenidade da Padroeira do Brasil, a Santíssima Virgem da Conceição Aparecida, a Paróquia São João Batista, de Macuco, se reuniu na Igreja Matriz, às 19h, para a celebração da Santa Missa, presidida pelo Pe. Fernando Pacheco. Juntamente com a comunidade do Morro dos Santos Reis, que abriga uma Capela dedicada à Senhora Aparecida, erguemos aos céus nossas mãos suplicantes e rogamos ao Deus três vezes Santo, confiando na intercessão de Maria Imaculada, pelo bem do nosso país, por todos os enfermos e pelo fim da pandemia do coronavírus.

 

Durante sua homilia, o celebrante destacou a humildade e submissão da Mãe de Deus e nossa.

- Deus sempre contou com os humildes e os simples para realizar a História da Salvação. ‘Maria, antes de ser Senhora nossa, ela foi Senhora de si mesma’. Por isso, ela pode cumprir a vontade de Deus. Nunca se ouviu dizer que aqueles que tivessem recorrido à intercessão e proteção de Maria fossem por ela desamparados. Ela é presença e tem empatia, ela se identifica e sofre junto. Ela nos ama e nos leva a Jesus. Nós pedimos muitas coisas à Virgem Maria. Mas hoje ela nos pede apenas uma coisa: ‘Fazei tudo o que Ele vos disser’. É preciso conformar a nossa vida à santa vontade de Deus para que um dia estejamos com Maria na glória eterna, celebrando o grande mistério do amor da Trindade que se derramou no coração de Maria, que se derrama em nosso coração através do Santo Batismo e que um dia, mergulhados nesse oceano profundo, nesse abismo insondável, nós seremos um só com Ele, o Senhor da nossa vida.

 Terminada a Santa Missa, o Pe. Fernando abençoou as flores que circundavam a imagem da Virgem Aparecida para que fossem distribuídas aos fiéis.     

 

Paróquia Santa Maria Madalena – Santa Maria Madalena

No último dia 12, a Igreja comemorou a Mãe de Deus, sob o título de Aparecida, relembrando aquele momento que os pescadores acharam no fundo do rio a imagem da Imaculada Conceição. A Paróquia Santa Maria Madalena, celebrou este dia com alegria e devoção.

 

Houve as Santas Eucaristias, das 10h e das 18h, com participação da comunidade, respeitando as medidas de prevenção e proteção. Logo, às 15h, pelas ruas da cidade passou a carreata-procissão, abençoando os lares com a presença do Pároco, Pe. Jorge Getúlio.

Na programação também, aconteceu o tradicional almoço de Nossa Senhora Aparecida, porém adaptado a este momento especial que vivemos, com delivery e pague-pegue.

 

Paróquia São José de Leonissa – Itaocara

No dia 12 de outubro, os paroquianos de São José de Leonissa puderam louvar Nossa Senhora da Conceição Aparecida por todas as bênçãos recebidas e sua gloriosa intercessão. Santa Missa, bênção de veículos e oração do Santo Terço oportunizaram aos fiéis agradecer à querida Mãe por tudo o que têm e são. Os festejos tiveram início às 8h, com Santa Missa celebrada pelo Pároco, Pe. Gilmar Rodrigues, primeiramente na Capela do Caeté (zona rural do 1º distrito) e, logo a seguir, na Igreja Matriz.

Já às 15h30min, e seguindo roteiro preestabelecido, teve início a Carreata de Nossa Senhora Aparecida, saindo da Capela da Amizade (Faz. da Amizade) em direção à Praça de Eventos Beira Rio (Centro da cidade) – não sem antes percorrer bairros da cidade –, para bênção dos veículos que seguiam em procissão com andor da padroeira. Destaque-se a participação efetiva da Paróquia Santa Beatriz (Portela-3º distrito), sob a orientação do seu Pároco, Pe. Diego Fernandes. Após a bênção, a carreata seguiu diretamente até a Capela do Caeté para a oração do Santo Terço, conduzido pelo Seminarista Felipe Mota, em ano pastoral na Paróquia de Itaocara.

 

O encerramento das comemorações deu-se na Igreja Matriz, com celebração da Santa Missa por Pe. Gilmar que, em inspirada homilia, destacou a importância da devoção à Santa Padroeira de nosso país, já tão marcado por inúmeras injustiças sociais.

Com base no Evangelho do dia, o sacerdote chamou os fiéis à atenção para a atitude de Maria ao dizer seu “sim” a Deus (aproximando-a da figura da rainha Ester, que manifestou ao Senhor seu desejo de conceder a vida ao seu povo), lembrando que “todos precisamos nos comprometer e clamar a Deus... Não podemos nos furtar a trabalhar em prol dos irmãos necessitados... não podemos em nenhum momento espiritualizar situações que gritam aos nossos olhos... não podemos nos furtar e desassociar a nossa fé. Não podemos só olhar para um passado de escravidão e não observar o dia de hoje, a realidade atual. Mesmo não sendo como outrora”.

 E prosseguiu com a pregação.

 - Muitas realidades configuram uma escravidão. Nesse período de pandemia, o Brasil está passando por uma de suas piores crises, a desigualdade não para de crescer... Muitas vezes, não percebemos a situação porque estamos nos dissociando das necessidades do povo, da sua realidade. É preciso ter a sensibilidade de Ester e da Virgem Maria quando disse seu ‘sim’... Maria estava sensível à situação da época, mas com fé, como quem conhecia mais do que ninguém quem era Jesus. Ela estava preocupada com situações pontuais, concretas, por ver os carentes e angustiados; e, principalmente, em “doar”.

A seguir, o presbítero conclamou a uma reflexão: “Como podemos ajudar alguém necessitado, alguém caído pelo descaso dos poderosos?  Precisamos estar comprometidos com a melhoria do outro, não podemos terceirizar a caridade...”.

Ao discorrer sobre a imagem negra de Nossa Senhora Aparecida encontrada por pescadores no rio Paraíba do Sul, Pe. Gilmar reforçou ser a escravidão “um grande pecado”, lembrando que a imagem negrinha fez milagres: “Não disse uma só palavra, mas o sinal é profético”.  Ao referir-se ao Santuário da Santa Padroeira, afirmou. “Não foi o Santuário que trouxe a devoção, mas o contrário. A devoção já estava na vida do povo escravizado, libertado mais tarde pela Princesa Isabel, devota da Virgem Santíssima. Precisamos trazer para o nosso hoje: o que ainda existe? Por que ainda existem tantas leis tão polêmicas, decretos que não funcionam”, indagou.

E conclui. “Queridos irmãos e irmãs, que o Rei também se encante com nossa beleza: a beleza da alma, com nosso coração generoso, sensível e atento às necessidades do irmão menos favorecido.  Façamos aquilo que Jesus nos disse”.

Texto:Pascom das Paróquias Nossa Senhora da Piedade (Cordeiro); Santuário Diocesano do Santíssimo Sacramento (Cantagalo); Nossa Senhora do Livramento (Valão do Barro); São João Batista (Macuco); Santa Maria Madalena (Santa Maria Madalena) e São José de Leonissa (Itaocara)
Foto:Pascom das Paróquias Nossa Senhora da Piedade (Cordeiro); Santuário Diocesano do Santíssimo Sacramento (Cantagalo); Nossa Senhora do Livramento (Valão do Barro); São João Batista (Macuco); Santa Maria Madalena (Santa Maria Madalena) e São José de Leonissa (Itaocara)

 


Compartilhe