NORTE: Tríduo Pascal 2020 – Comunidades celebram mistério da Paixão, morte e Ressurreição de Jesus

Diocese de Nova Friburgo, 16 de abril de 2020
Acessos: 496


Celebrando a Semana Maior do Calendário Litúrgico, as comunidades do Vicariato Norte vivenciaram espírito de fé, piedade e esperança a Semana Santa de 2020. De forma atípica, as comunidades celebram sem a presença de fiéis nos templos, mas por meio transmissões ao vivo pelas redes sociais levaram o Pão da Palavra aos lares dos paroquianos, que acompanharam cada uma das celebrações. Confira.


Paróquia Nossa Senhora da Conceição – Bom Jardim

Quinta-feira Santa

Marcando a abertura do Tríduo Pascal, de forma ainda mais emocionante, os presbíteros da comunidade da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, de Bom Jardim, formavam a procissão de entrada para a Santa Missa, na noite de 09/04.

Com o templo vazio, mas a certeza de que todos estavam unidos pelo amor do Senhor, o Pároco, Pe. Frei. Getulio Freire, OAD, juntamente com os confrades Pe. Frei Arnaldo Schott e Pe. Frei Marcio dos Santos, dava o início à celebração In Coena Domini.

Em sua homilia, Frei Getulio recordava aos fiéis que naquela noite, era celebrada "a instituição do Sacramento da Eucaristia e do Sacerdócio do Novo Testamento." E acrescentou que a Páscoa nos leva à liberdade, pois nos liberta do pecado, garantindo-nos a Salvação. Mas também, somos convidados a nos colocar à serviço por amor.

- Diante de todo o contexto que vimos nesta Semana Santa, hoje se concretiza, de forma dramática, esse momento onde Judas executa a sua traição, os outros Apóstolos irão fugir com medo, abandonando Jesus. E, mesmo sabendo de tudo isso, a preocupação de Jesus não era com isso, mas ainda deixar o seu testamento de amor. É ensinar esses mesmos discípulos que Ele sabe que irão se acovardar, mas que irão se reerguer pela sua ressurreição, o amor e o serviço – disse.

Após a Transladação do Santíssimo Sacramento para o Sacrário, o presbítero deu início à um momento paroquial iniciado nesta quarentena: a Hora Santa. Levando os fiéis à reflexão sobre o mistério pascal de Cristo.

Sexta-feira Santa

Já na celebração da Ação Litúrgica e adoração da Santa Cruz, da Sexta-feira Santa, Frei Getulio enfatizou em sua meditação sobre "o processo mais famoso e mais fraudulento da humanidade. Onde o julgado se coloca no lugar de juiz, e o Juiz é julgado. Deus julgado pelos homens. E pior, não sendo inocentado, mas condenado”.

Terminada a Celebração Litúrgica, o presbítero convidou a comunidade à participar da meditação da Via-Sacra.

Sábado Santo

E encerrando o Tríduo Pascal, os sacerdotes se reuniram na noite de 11/04 para celebrar a vitória de Cristo sobre a morte: a Sua Ressurreição.

Em sua homilia, o sacerdote frisou que "a primeira leitura do livro do Gênesis, nos recorda a criação. Porque a Páscoa é a redenção da criação que caiu no pecado. O pecado estragou-nos, mas Deus em sua infinita misericórdia vem em nosso socorro e nos salva. Por isso, nós ouvimos também na segunda leitura do livro do Êxodo, a passagem do Mar Vermelho: a libertação do povo de Israel, que clamou à Deus e Ele o libertou".

Antes de concluir a pregação, acrescentou Frei Getulio. "E nós hoje tivemos a terceira leitura, que anuncia essa nova libertação, essa nova salvação que irá se cumprir na plenitude dos tempos, em Jesus. Por isso, a Páscoa da nova lei é a redenção de toda a humanidade. E o cumprimento de todas as profecias."


Santuário Diocesano do Santíssimo Sacramento – Cantagalo

Quinta-feira Santa

O Santuário Diocesano do Santíssimo Sacramento iniciou a celebração do Tríduo Pascal com a belíssima Missa da Ceia do Senhor, na Quinta-feira Santa, presidida pelo Pároco e Reitor do Santuário, Pe. Higor Moraes de Jesus.

Neste dia, onde a Igreja adentra na preparação para a verdadeira Páscoa, Pe. Higor convidou a todos os féis, em sua homília, a iniciar a celebração do Tríduo Pascal voltando o olhar para o coração de Jesus, que transborda de amor, como dizia no início do Evangelho segundo São João: "Tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim." (Jo 13, 1)

O Discípulo amado começa a relatar a paixão olhando para o coração de Jesus.

Sexta-feira da Santa

Na Sexta-feira Santa, Paixão do Senhor, a celebração foi realizada com o olhar voltado para o sofrimento de Cristo em sua morte na cruz. Pe. Higor destacou a necessidade do sofrimento no amor."Precisava de tanto sofrimento? Sim, porque o sofrimento é a pedra de toque do amor! Quando um amor falso, que não é autêntico, entra em contato com o sofrimento, ele simplesmente desaparece. Mas, quando o amor verdadeiro entra em contato com o sofrimento, ele reluz, ilumina! Por isso foi necessário a morte de Cristo, pois o sofrimento é a pedra de toque do amor!".

Sábado Santo

No Sábado Santo, Vigília Pascal, a certeza da vida após a morte invadiu os corações. No início da celebração, Pe. Higor acendeu o Círio Pascal, seguindo de uma pequena procissão até o Altar.

Em sua homília, exortou os fiéis à possuírem a certeza de que, além da vida após a morte, existe vida verdadeira também antes da morte. E que essa é a vida do ressuscitado em nós. Pela graça de Deus, a ressurreição de Cristo acontece na vida de todos e, por isso, os corações devem se encher de santa alegria, porque o Cristo está vivo, ressuscitou!

Ao final, Pe. Higor voltando-se para todos os paroquianos, famílias e aqueles que haviam acompanhando as celebrações pelas redes sociais de suas casas, destacou que Jesus também está presente com todos na Igreja doméstica, em cada lar. Desejou que a alegria da ressurreição invadisse o coração e o lar de cada um. Pois mais importante que qualquer vírus ou isolamento, é a certeza da ressurreição de Cristo, que nos trouxe vida nova e nos abriu a porta da eternidade; que ressuscita no coração de cada um e de cada família.

Finalizou desejando uma Feliz Páscoa da ressureição!


Paróquia São João Batista - Laranjais

Quinta-feira Santa

Na Quinta-feira Santa tendo apenas uma pequena equipe no templo para auxiliar o Pe. João Tadeu, às 18h, teve início a Solenidade da Instituição da Eucaristia e do Sacerdócio.

O Tríduo Pascal nesse ano de 2020 foi muito diferente de todos os outros, devido à pandemia do coronavírus. Alguns Ritos precisaram ser omitidos, como o lava pés, transladação do Santíssimo Sacramento e a Vigília Eucarística. Após a Santa Missa teve início o Cerco da Divina Misericórdia, onde um grupo formado no Whatsapp reza 24 horas pelo fim da pandemia do Covid-19.

Sexta-feira Santa

Sexta-feira da Paixão, dia de jejum, abstinência de carne e oração. A Solene Ação Litúrgica da Paixão do Senhor teve início às 15 h. O silêncio marcou o início da celebração. Após a liturgia da Palavra aconteceu a veneração da Santa Cruz e o sacerdote convidou os fiéis que assistiam em casa através do Facebook da Paróquia para ter em mãos um crucifixo e beijá-lo.

Depois da Celebração as imagens do Senhor Morto e Nossa Senhora das Dores percorreram em carro aberto todas as ruas do distrito meditando as Sete Dores de Nossa Senhora. Muitos fiéis se emocionaram com a passagem do cortejo.

Sábado Santo

No início da noite de 11/04, encerrou-se o Tríduo Pascal. A Solenidade começou com a bênção do fogo novo e a preparação do Círio Pascal. O Pe. João Tadeu ergueu o Círio e proclamou “Eis a luz de Cristo!”, entronizou o Círio na Igreja e a Páscoa foi proclamada. Depois de quarenta dias pôde ser entoado o Hino de Louvor (o Glória), os sinos e sinetas da tocaram, momento arrepiante. Jesus ressuscitou!


Paróquia Sagrado Coração de Jesus – Rodolfo Gonçalves

Esse ano vivemos o Tríduo Pascal de forma diferente, de uma maneira que jamais imaginaríamos viver. Mas o amor, a esperança, a fé e o cuidado com a liturgia, foram os mesmos, de uma forma ainda mais intensa. Tudo da forma mais linda para que todos pudessem viver a Paixão, Morte e Ressureição de Nosso Senhor Jesus Cristo juntos, através de transmissões ao vivo pelo Facebook, e cada paroquiano em suas casas pôde participar e vivenciar essa nova experiência de fé.

Quinta-feira Santa

Na Quinta-feira Santa, iniciando o Tríduo Pascal, em sua saudação inicial, Pe. Reinaldo Cruz Santana, SJC, recordou a instituição da Eucaristia e do ministério sacerdotal. Cristo institui o sacerdócio para perpetuar em nós os ensinamentos que Ele proclamou, e nos presenteia com a Eucaristia, “Fazei isto em memória de mim”.

Em sua homilia Pe. Reinaldo ressaltou que: “ao comungar Jesus na presença eucarística estamos em comunhão com todos os seus ensinamentos, toda a sua vida. O amor de Deus Pai, é doado em plenitude na Santa Ceia que hoje celebramos, e enche-nos de esperança, de alegria e dá-nos sempre a vida eterna, pois quem o recebe, quem professa a fé em Cristo, crê em Jesus e perde a sua vida também recebe a vida eterna”, disse.

- Jesus prossegue sua caminhada consciente que seu caminho é o do amor até o fim, sem medir as consequências. Até o fim do que é humanamente possível a doação de Cristo até a morte, onde Deus confirma a Glorificação de Cristo na Cruz - enfatizou o sacerdote.

Sexta-feira Santa

A ação litúrgica da Sexta-feira da Paixão foi conduzida por Pe. Reinaldo, tendo início com o ato de prostração do sacerdote diante do altar. Essa celebração é marcada pelo silêncio, despojamento e pela oração. Na homilia, o padre meditou sobre a dor da morte de cruz. “Ao morrer na cruz, Jesus expressa humanamente sua fragilidade, Ele ora, tem sede, passa por todas as aflições na cruz, passa por um sofrimento intenso e enorme. Mas perpetua a esperança na vitória de Cristo sobre a morte.”

Prosseguiu-se a Ação Litúrgica, com a Adoração à Santa Cruz, quando o padre desnuda a Cruz pronunciando: “Eis o lenho da Cruz, do qual pendeu a salvação do mundo”. Após o canto, o celebrante convidou aos que acompanhavam a celebração a se colocarem em oração diante da Cruz. Ao contemplar a Cruz vemos o sinal de gratidão, e deve ser um compromisso de cada fiel de buscar viver melhor o Evangelho do Senhor.

Sábado Santo

No Sábado Santo, noite da grande Vigília Pascal, após a preparação do Círio Pascal iniciou-se a transmissão ao vivo para a comunidade. Pe. Reinaldo iniciou a celebração entoando a proclamação da Páscoa e seguido das leituras próprias do dia.

Em sua homilia o celebrante destacou a importância da festa em que celebramos a Luz da Ressurreição. Com Jesus vencemos as trevas do pecado, do mal moral, dos males da doença. A alegria do Ressuscitado é combustível para superar todas as adversidades que o mundo nos impõe.

Ao concluir a homilia, Pe. Reinaldo convidou a comunidade que participava em suas casas a acender uma vela e renovar as promessas batismais. No fim da celebração a dor e emoção tomaram conta dos corações ao ver os bancos vazios, afinal são os paroquianos que preenchem e alegram cada Santa Missa, e que nesse momento faz a experiência de ficar distante. Mas, com a graça de Deus vivenciamos essa experiência única, cada um em sua casa.


Paróquia Nossa Senhora da Conceição – Duas Barras

Semana Santa!! A semana das semanas, a semana mais esperada por todos os fiéis, mas que nesse ano vivenciaram de uma forma diferente, sem procissões e sem poder participar das celebrações, acompanhando de dentro de suas casas por meio das transmissões online disponibilizadas nas redes sociais. Dentro da Semana Santa, celebrou-se o tríduo pascal. Na paróquia central de Duas Barras tudo foi celebrado de forma solene e digna, mesmo com toda as restrições por causa da pandemia.

Quinta-feira Santa

Na Quinta-feira Santa, a Missa foi celebrada às 19h, na Igreja Matriz. De forma solene o Pároco, Pe. Yves Barcellos Mozer, convidou todo o povo a vivenciar o sagrado Tríduo Pascal de forma que cada um rasgue o coração e se abra à graça do Senhor. Logo após a saudação inicial, o padre conduziu os fiéis em suas casas a abrirem os corações ao novo do Senhor, e adentrar no Mistério Eucarístico.

O padre iniciou a homilia enfatizando um versículo "Dei-vos o exemplo, para que façais a mesma coisa que eu fiz" (Jo 13,15), e prosseguiu fazendo uma reflexão do mandamento do amor do Senhor. Durante a pregação fez uma alusão ao Lava-pés, destacando a humildade do Senhor onde lavou os pés dos discípulos mostrando seu amor por eles.

O padre conduziu os fiéis a fazerem do lar onde acompanhavam a Missa uma Santa Ceia e lavar os pés uns dos outros. Concluiu sua pregação usando o exemplo da Virgem Maria, que na Santa Ceia não estava junto dos discípulos, e não pôde comungar, mas estava no andar de baixo comungando espiritualmente daquela ceia, mostrando que hoje todos estamos como ela, comungando espiritualmente.

Sexta-feira Santa

Sexta-feira da Paixão, a Celebração da Paixão deu-se início às 15h, em total silêncio com a procissão de entrada com os acólitos da paróquia e o prostrar do padre no chão. Ao terminar as leituras, teve início a homilia com destaque para o "jardim" do Evangelho, um jardim que é semelhante ao de Gênesis (lugar de desobediência) e o que vivemos agora, o jardim da traição e morte.

- Hoje, nessa solene liturgia, iniciamos o Evangelho num jardim. O jardim que é sempre pra nós um lugar que vislumbra vitória e alegria, onde nós experimentamos uma vida nova, pois o jardim é um lugar das flores que lá existem, das sementes que morreram e germinaram. Hoje, nos encontramos no jardim sem flores, as flores do jardim podemos dizer que ela não existem, pois nos encontramos em luto, com o nosso altar simbolizando o jejum - disse o padre.

A celebração se estendeu até adoração da cruz, onde de forma solene em um reflexivo silêncio os acólitos da paróquia em procissão trouxeram a cruz em seus ombros e puseram-na sobre o presbitério.

Logo após, o padre com o canto "Eis o lenho da cruz do qual pendeu a salvação do mundo" desnudou a cruz e todos puderam fazer sua adoração.

Sábado Santo

No Sábado Santo, a Vigília Pascal, mãe de todas a vigílias foi celebrada às 20h, se iniciou diretamente no precônio pascal, cantado pelo padre. Logo após, as sete leituras foram proferidas e os setes salmos cantados. Durante a celebração a Igreja permaneceu com as luzes apagadas, só foram acesas ao cantar do Glória e tocar dos sinos da Igreja.

Em sua homilia, o padre ponderou acerca da rica liturgia Pascal, onde cada detalhe nos leva ao mistério da salvação.

- Hoje a Santa celebração da Vigília Pascal, se torna ainda mais luminosa e cheia de significados pelos seus sinais e esplendor, entretanto ela ainda é quase nada diante de tal mistério que estamos vivendo, pois não estamos recordando uma história, e sim fazendo memória dela. Começamos a Missa com as luzes apagadas, assim através da luz do Círio Pascal e a liturgia da Palavra fomos sendo iluminados. A rica liturgia da Palavra traz, em sete leituras do antigo testamento, uma epístola, e o Evangelho, a história da salvação - enfatizou o padre.


Paróquia Nossa Senhora da Piedade - Cordeiro

Quinta-feira Santa

Na Quinta-feira Santa iniciou-se o Tríduo Pascal com a Missa da Ceia do Senhor. Nesta ocasião fizemos memória da Instituição da Eucaristia e do Sacerdócio. A Santa Missa foi presidida pelo Pároco, Pe. Arnaldo Carvalho, às 20h, na Igreja Matriz Nossa Senhora da Piedade.

Em sua homilia o sacerdote falou sobre o grande exemplo de humildade de Cristo que, mesmo sendo mestre, se abaixa para lavar os pés de seus discípulos. Após esse momento, Jesus celebra sua última ceia, instituindo assim o Sacramento do Seu Corpo e Sangue, a Eucaristia. Neste instante, o padre levantou um questionamento de que no dia em que Cristo institui a Eucaristia, nós não poderíamos comungar! Porém, recordou que as graças que recebemos em cada comunhão estão em nós e não se perdem.

Por fim, o sacerdote leu um texto de São João Maria Vianney que nos fala sobre o sacerdócio e concluiu enfatizando que um padre não é para si, mas para os outros, ou seja, para levar todo povo a Cristo, eterno e único sacerdote!

Sexta-feira Santa

A Sexta-feira Santa é o dia em que a Igreja faz memória da Paixão e morte de Nosso Senhor Jesus Cristo. Este dia, é o único durante todo o tempo litúrgico no qual não há Celebração Eucarística.

Na paróquia Nossa Senhora da Piedade, a Ação Litúrgica ocorreu às 15h, com transmissão ao vivo pelas redes sócias da paróquia e pela Rádio 94,3FM. Durante a homilia, Pe. Arnaldo iniciou falando sobre os sofrimentos pelos quais Nosso Senhor passou para nos redimir de nossos pecados. Comparou ainda outros momentos da vida de Jesus com este momento, como por exemplo, o encontro com o Samaritana, no qual Ele pede água, mesmo pedido que fez na cruz, mas recebeu vinagre.

“Por que tanto sofrimento? Por que tanta dor? Merecemos que Ele passe por tudo aquilo para nos salvar? De certo que não. Jesus não sofreu os tormentos da Paixão por merecimento nosso, mas porque nos ama! Ele nos ama sem esperar de nós coisa alguma”, disse Pe. Arnaldo.

Ao final de sua homilia, o padre concluiu nos falando para deixarmos ser encontrados pela misericórdia do Senhor, que sofrendo Sua Paixão e morte de cruz, nos abrirá as portas da eternidade junto Dele.

Sábado Santo

No Sábado Santo conclui-se o Tríduo Pascal iniciado na Quinta-feira Santa com a Missa da Vigília Pascal. Nesta celebração, a liturgia recorda aos fiéis como aconteceu o plano de salvação para resgatar o gênero humano que estava mergulhado no pecado.

Na Paróquia Nossa Senhora da Piedade a celebração da Vigília aconteceu às 20h, sendo transmitida pelas redes sociais da paróquia e pela rádio 94,3FM.

Para explicar as leituras e o plano de salvação da humanidade desde a criação, passando pela libertação do povo do Egito até chegar a Cristo Jesus, o Pároco disse “Cristo já era esperado desde o antigo testamento”.

Por fim, o padre exortou à comunidade a olharmos para o “Cristo como uma luz que rompe as trevas da morte” e nos reanima para seguir enfrentando os desafios que aparecem em nossa caminhada.

Muito emocionado, concluiu dizendo. “Ouçamos o que o Senhor Ressuscitado nos diz no Evangelho: Não tenhais medo!”.


Paróquia São José de Leonissa - Itaocara

Sábado Santo

Com transmissão pelas redes sociais da Paróquia para evitar aglomeração de pessoas num mesmo local, conforme o recomendado nos tempos atuais, e seguindo o rito completo da celebração (bênção do fogo e preparação do círio, proclamação da Páscoa, leituras do Antigo e do Novo Testamento., proclamação do Evangelho), Pe. Gilmar Gomes (Pároco) celebrou, na Igreja Matriz, a Santa Missa da Vigília Pascal, recordando ser a Ressurreição de Cristo o centro da fé de todos os cristãos.

Iniciando a meditação das palavras do Senhor, o sacerdote lembrou que as leituras são “uma síntese da história da salvação - em Cristo Jesus tudo foi recriado” e “apontam para a plenitude: o cordeiro imolado em lugar de Isaac prefigura Jesus no Monte Calvário - o ‘Cordeiro de Deus’; Moisés é a prefiguração de Cristo e a água do Mar Vermelho é a água do nosso Batismo”. Complementou dizendo. “Cristo reintegra toda a humanidade: a Aliança do Senhor se realiza e se prolonga em nossa vida pelo Batismo”. E afirmou ainda. “Esta noite é essencialmente uma noite batismal”.

Por fim concluiu. “Queridos irmãos e irmãs, que a alegria da ressurreição seja maior do que todo o nosso medo daquilo que possa acontecer com esta pandemia, que vem assolando o mundo”, pois “tudo o que é deste mundo irá passar; mas tudo o que Cristo conquistou para nós – o céu, a eternidade – isso não passa jamais. Portanto, não tenhais medo, alegrai-vos; levai o testemunho para o mundo; e que nosso coração se fortaleça, recobre o ânimo”.

“Com ou sem pandemia, na pobreza ou na riqueza, na abundância ou na falta, o que acontece hoje ultrapassa as contingências que vivemos. Que nosso coração esteja no Cristo maravilhoso... E que possamos ser luz e sal para outros tantos irmãos e irmãs”, acrescentou.

Logo após a Liturgia Batismal – invocação da Graça de Deus sobre a água batismal e sua bênção, mergulho do Círio Pascal nesta mesma água, renovação das promessas do Batismo –, Pe. Gilmar procedeu à aspersão da água benta, ao som de canto específico para a ocasião, encerrando, assim, o exercício do período quaresmal.

Em seguida, prosseguiu a Celebração Eucarística na sua forma costumeira.


Paróquia São José – São José do Ribeirão

Devido à pandemia do novo coronavírus, as celebrações da Semana Santa na Paróquia São José, assim como na Igreja em várias partes do mundo, aconteceram de forma privada e transmitida pelos meios de comunicação.

Quinta-feira Santa

Na Paróquia São José, em São José do Ribeirão, o tríduo pascal foi transmitido via Facebook da paróquia e também via Rádio, na Rádio Comunitária do município de Bom Jardim, Alternativa FM.

As celebrações foram presididas pelo Pároco, Pe. Marcelo Campos, com a Cooperação do Diácono Permanente Ironil Mascouto. Participaram das celebrações de forma privada a equipe de canto, a esposa do Diácono Ironil, Sra. Regina, e também a coordenação da Pastoral da Comunicação paroquial.

Milhares de fiéis participaram das transmissões reunindo-se em família, Igreja Doméstica, para participar da Semana Maior, a Semana Santa. "A Igreja templo está fechada, mas ela multiplicou-se por várias igrejas domésticas”, frisou o Sacerdote na Quinta - Feira Santa, abrindo assim o tríduo pascal.

Sexta-feira Santa

Na Sexta - Feira da Paixão do Senhor, após o Ato Litúrgico, houve a meditação das últimas Sete Palavras de Jesus na Cruz, sendo cada uma delas meditadas por Pe. Marcelo e Diácono Ironil.


Paróquia São João Batista – Macuco

Quinta-feira Santa

Com a presença restrita de fiéis servidores, conforme orientação das autoridades religiosas e civis, a Paróquia São João Batista, em Macuco, celebrou o Tríduo Pascal. Vale destacar que era visível a emoção e a dedicação daqueles que se fizeram presentes nos momentos de celebração. Na Liturgia da quinta-feira, dia em que começa o Tríduo Pascal, o Pe. Fernando Pacheco enfatizou em sua homilia a instituição dos Sacramentos da Ordem e da Eucaristia.

- A Eucaristia e o Sacerdócio nasceram do coração de Jesus. Através desses Sacramentos, o Senhor continua no meio de nós. Jesus é o eterno sacerdote, mas quis precisar de ministros consagrados. Antes de padecer, Ele quis antecipar a última ceia para poder celebrar com seus Apóstolos. E ao celebrarmos hoje a instituição da Eucaristia nós não temos outro sentimento senão a nossa gratidão. Ele nos amou e se entregou por nós - refletiu.

Sexta-feira Santa

Na sexta-feira Santa, dia em que celebramos a Paixão e morte de Jesus, “uma liturgia dramática, porque os homens mataram o Filho de Deus, mas ao mesmo tempo regada de esperança, porque Jesus é o cumprimento da promessa. Deixemos que Jesus seja o centro das atenções, o ordenador de toda a nossa vida: tudo por Cristo, com Cristo e em Cristo. Abracemos a nossa cruz e sigamos Jesus, amando-O. Saciemos a sede que Ele tem de cada um de nós. Ele tem sede daqueles que têm sede Dele”.

Sábado Santo

A celebração do Sábado, realizada às 19h, começou com as luzes apagadas. O Círio Pascal, representando Jesus, nossa Luz, o Princípio e o Fim de tudo, Senhor do Tempo, foi aceso. A Liturgia da Palavra recordou toda a caminhada do povo de Israel, aguardando o Messias e apresentou Jesus como o verdadeiro Salvador. “Nós seguimos a um Deus Vivo. Que possamos também experimentar a alegria da ressurreição. Ele quer ressuscitar em nós todas as nossas esperanças. O Espírito do ressuscitado vem levantar-nos de nossas prostrações. Não tenhamos medo. Alegremo-nos: o Senhor ressuscitou!”


Texto:Carol Marques, Grasiele Guimarães, Maria Rosangela da Silva Pires e Pascom das Nossa Senhora da Conceição (Bom Jardim), Nossa Senhora da Conceição (Duas Barras), Nossa Senhora da Piedade, Sagrado Coração de Jesus (Rodolfo Gonçalves), São João Batista (Laranjais) São José, São José de Leonissa
Foto:Fernanda Bom, Maria Rosangela da Silva Pires e Pascom das Nossa Senhora da Conceição (Bom Jardim), Nossa Senhora da Conceição (Duas Barras), Nossa Senhora da Piedade, Sagrado Coração de Jesus (Rodolfo Gonçalves), São João Batista (Laranjais) São José, São José de Leonissa

 


Compartilhe