Acessos: 188

A experiência Tabor


A liturgia do segundo domingo da Quaresma nos apresenta o episódio do Tabor. Jesus que sobe à montanha com seus discípulos – Pedro, Tiago e João – e ali se transfigura diante deles. Certamente, aquela experiência daquele dia marcou a vida dos três discípulos. Nenhum destes havia experimentado algo tão grandioso. A manifestação da glória divina não só apontou para a realidade da pessoa de Jesus, mas também inundou o coração daqueles homens temerosos.

Pedro, o mais impetuoso, deixa transbordar o sentimento de gozo e exclama: “Senhor, é bom estarmos aqui, façamos três tendas...” (Lc 9,33). Ele queria prolongar aquela situação mística e prazerosa. Contudo, o mesmo discípulo após a experiência da Ressurreição e de Pentecostes compreende que suas palavras eram vazias de sentido. Pois, o que realmente importa não é estar ali ou aqui, mas é estar sempre na presença de Deus, em qual parte, realidade ou situação. Encontrar o Cristo por de trás de qualquer situação, e mais, ser a sua presença!

Assim como Pedro, nós queremos prolongar em nossa vida os momentos felizes e prazerosos. No entanto, a vida presente é cercada de situações que nos roubam os momentos de tranquilidade. Convivemos todos os instantes com a inquietação temerosa de perder o que temos ou o que somos. Assim, traduzimos nossa esperança e nossas ações voltadas apenas para as coisas contingentes deste mundo.

O Tempo Quaresmal nos impele a viver na cotidianidade de nossa vida, a experiência do Tabor. Não podemos esquecer, nem ignorar as inúmeras situações de morte que enfrentamos todos os dias. Ao contrário, precisamos conquistar um olhar mais atento às dores do mundo em que vivemos e, com a força que emana de nossa experiência com Deus, mudar as cruéis e violentas realidades que a humanidade enfrenta.

O Papa Francisco, ao refletir sobre o relato do Monte Tabor, destaca que “no final da admirável experiência da Transfiguração, os discípulos desceram do monte com os olhos e o coração transfigurados pelo encontro com o Senhor. E nos motiva: “É o percurso que podemos realizar também nós. A redescoberta cada vez mais viva de Jesus não constitui um fim em si, mas induz-nos a ‘descer do monte’, restaurados pela força do Espírito divino, para decidir novos passos de conversão e para testemunhar constantemente a caridade, como lei de vida diária. Transformados pela presença de Cristo e pelo fervor da sua palavra, seremos sinal concreto do amor vivificador de Deus por todos os nossos irmãos, sobretudo por quem sofre, por quantos se encontram na solidão e no abandono, pelos doentes e pela multidão de homens e mulheres que, em diversas partes do mundo, são humilhados pela injustiça, pela prepotência e pela violência” (Angelus, 6 ago. 2017).

A experiência do Tabor nos ensina que é preciso descer da montanha com a força que vem da experiência de Transfiguração, presente também em nossa vida de fé, e não nos deixar vencer pelas provações, incompreensões, perseguições, calúnias e dores. As dificuldades da vida precisam ser abraçadas com a certeza da verdade e a garantia da vitória que vence o mundo, a nossa fé! (cf. 1Jo 5,4).


Nova Friburgo-RJ, 15 de maro de 2022


Pe Aurecir Martins de Melo Junior
Assessor Diocesano da Pastoral da Comunicação


Compartilhe