Acessos: 103

li·ber·da·de


  1. Nível de total e legítima autonomia que representa o ideal maior de um cidadão, de um povo ou de um país; 2. Poder de agir livremente, dentro de uma sociedade organizada, de acordo com os limites impostos pela lei; 3. Faculdade que tem o indivíduo de decidir pelo que mais lhe convém.

Em uma busca rápida pela web sobre o verbete ‘liberdade’, é unânime a definição acima. Apesar de cada linha filosófica apresentar uma vertente da definição do conceito, impera que a liberdade é imprescindível para a organização social e felicidade pessoal. No entanto, não é difícil encontrar atitudes que tendem a antagonizar o desejo supremo de liberdade presente no coração do homem.

Centrado em seus próprios interesses e ideologias, o homem moderno tende a usurpar o conceito de liberdade para benefício próprio, agindo violenta e indiscriminadamente contra quem pensa diferente de si.

O Catecismo da Igreja Católica (CIC) alerta para o perigo que sentinela a liberdade, fruto da cultura individualista e egoísta hodierna. Em primeiro lugar, o compêndio da doutrina católica esclarece que o exercício da liberdade não implica o direito de dizer e fazer tudo o que se quer. “É falso pretender que o homem, sujeito da liberdade, se basta a si mesmo, tendo por fim a satisfação do seu interesse próprio no gozo dos bens terrenos”. E, depois, denuncia: “as condições de ordem econômica e social, política e cultural, requeridas para um justo exercício da liberdade, são com demasiada frequência desprezadas e violadas” (CIC, 1740).

O que fora constatado pelo Magistério da Igreja é fruto de sua atenta ação em favor da humanidade. Denunciando as ameaças à liberdade, seu maior desejo é que o indivíduo seja capaz de identificar as situações de cegueira e de injustiça que abalam a vida moral e induzem tanto os fracos como os fortes na tentação de pecar contra a caridade.

É certo que quem se afasta da lei moral, atenta contra a sua própria liberdade, aprisiona a si mesmo e quebra os laços de fraternidade com os seus semelhantes. Somos livres para defender a vida, a dignidade e o bem comum. Somos livres para, no exercício consciente de nossa cidadania, acusar mentalidades que fazem sucumbir a paz e a prosperidade da nação. Somos livres para expor nossos pensamentos, sem que para isso seja necessário usar de violência verbal, moral e física contra quem quer que seja.

A sabedoria popular já ensina que a minha liberdade termina onde começa a liberdade do outro. Assim, qualquer ato que fira a dignidade e a liberdade do outro é ato contra a liberdade. Portanto, ao fim desta reflexão, não se pode deixar de dizer que o crime contra a liberdade é agravado quando é praticado por quem tem o dever de zelar pela liberdade e dignidade de todos.

Quando se trata da atividade política, nos ajuda lembrar o que diz o Papa Francisco: “Todos têm não apenas a liberdade, o direito, como também a obrigação de dizer o que pensam para ajudar o bem comum. É legítimo usar esta liberdade, mas sem ofender” (15 jan. 2015).

Diante destas questões, é preciso rever nossas atitudes e buscar praticá-las na verdade e caridade a fim de conquistarmos a verdadeira liberdade.


Nova Friburgo-RJ, 19 de outubro de 2021


Pe Aurecir Martins de Melo Júnior
Assessor Diocesano da Pastoral da Comunicação


Compartilhe