Acessos: 75

A carne mais barata do mercado


A carne mais barata do mercado é a carne negra”. Esta música composta por Seu Jorge, Marcelo Yuca e Wilson Capellette, que ganhou espaço na Música Popular Brasileira na voz de Elza Soares, enaltece as qualidades, por muitos ignorada, da população negra na construção deste país. Mas, ao mesmo tempo, denuncia feridas abertas da sociedade brasileira: a desvalorização, o descaso, a falta de respeito, a segregação, o preconceito...

Em uma entrevista, Dom José Valdeci Santos Mendes, Bispo da Diocese de Brejo, referencial das Pastorais Sociais do Maranhão e presidente da Comissão Sociotransformadora da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), ao falar da luta pela dignidade e a resistência do povo negro, destacou a importância de, como irmãos, ouvir a voz de Deus, juntar nossas forças e assumir sua causa junto ao seu povo. 

Precisamos unir as nossas forças e dizer não a todo tipo de opressão e de negação da vida. Celebrar o dia da consciência negra é renovar o compromisso na luta em defesa da vida tendo como base a abertura para o diálogo, compreensão do diferente, compromisso com a justiça e empenho em defesa da vida” (Dom José Valdeci Santos Mendes, 20 nov. 2020).

Infelizmente o racismo está tão entranhado em nossa história, que se tornou estrutural. Por este motivo, muitos defendem que ele não existe mais em nosso meio. Contudo, muitas vezes somos bombardeados por relatos de pessoas que sentem na carne a dor do preconceito por terem sua pele preta.

O recente relato da morte por espancamento de um homem negro de 40 anos em uma famosa rede de supermercados, chocou a todos. Mas este foi somente mais um caso dentre tantos outros que sofreram e sofrem a prática de violência e abusividade programada contra pessoas negras.

Está em nossas mãos o poder de mudar esta triste realidade e execrar todo e qualquer ato discriminatório. No Concílio Vaticano II, o Magistério ressaltou o valor da fraternidade universal e a reprovação de toda a discriminação racial ou religiosa, e afirmou categoricamente que “A Igreja reprova, por isso, como contrária ao espírito de Cristo, toda e qualquer discriminação ou violência praticada por motivos de raça ou cor, condição ou religião” (Nostra aetate, 5).

Todo cristão deve se empenhar no âmbito social-político-cultural afim de garantir o direito de todos a uma cultura humana e civil, adequada à pessoa humana (cf. Compêndio da Doutrina Social da Igreja, 557; Gaudium et Spes, 60).

A Doutrina da Igreja ainda nos ensina que no sacrifício de Cristo na cruz, manifestação máxima de seu amor, todas as barreiras de divisão e discórdia foram derrubadas (cf. Ef 1,8-10). Isto implica a todos que carregam a égide de cristão e que queiram viver esta nova vida em Cristo devem abraçar como meta de toda a sua existência instrumentos de paz e fraternidade, evitando que as diferenças raciais e culturais sejam motivo de divisão entre os homens (cf. Compêndio da Doutrina Social da Igreja. 431).

Somos chamados, como família humana, a recuperar a nossa própria unidade e a reconhecer a riqueza presente em nossas diferenças tendo como meta a “unidade total em Cristo” (cf. Pio XII, Discurso aos Juristas Católicos, 6 dez. 1953).

Termino esta reflexão com duas afirmações: no Brasil existe racismo e todas as carnes têm o mesmo valor, pois custaram um alto preço: a morte de Cristo na cruz.


Nova Friburgo-RJ, 17 de novembro de 2020


Pe Aurecir Martins de Melo Junior
Coordenador Diocesano da Pastoral da Comunicação


Compartilhe