Nossa missão é evangelizar!

Acessos: 2

Caros amigos, a Ressurreição de Jesus nos conduz ao “permanente estado de missão”, tão eloquentemente defendido pelo Papa Francisco. De fato, no Batismo o cristão nasce para evangelizar, assumindo a missão de difundir o Reino de Deus.

O batizado é convidado a conhecer e propagar o Evangelho a todos - sobretudo, aos que mais necessitam -, não como um repetidor de versículos e sermões, mas como alguém que lê, medita e procura viver a Palavra. Todos os que renasceram das águas do Batismo estão obrigados à ordem do Ressuscitado: “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc 16, 15).

A Igreja alimenta o seu ardor missionário na certeza do amor de Deus por toda a humanidade e no desejo divino de que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da Verdade (cf. ITm 2, 4). Deste modo, sustenta o empenho em anunciar o Evangelho aos homens do nosso tempo, mesmo que torturada pela perseguição e pela angústia (cf. Evangelii Nuntiandi, 1).

A Evangelização é, sem dúvida alguma, um serviço prestado à toda a humanidade, não só a comunidade dos cristãos. O Papa Paulo VI na Exortação Evangelii nuntiandi explica que evangelizar é levar a Boa Nova a todas as parcelas da humanidade e, pelo seu influxo, transformá-las a partir de dentro, tornando nova todas as coisas (cf. Ap 21,5). Também adverte que esta renovação só será possível se houver, em primeiro lugar, homens novos, nascidos da água e do Espírito (cf. Jo 3,5).

A Igreja evangeliza quando, unicamente firmada na potência divina da mensagem que proclama, procura converter ao mesmo tempo a consciência pessoal e coletiva dos homens, a atividade em que eles se aplicam, e a vida e o meio concreto que lhes são próprios” (Evangelii nuntiandi, 6).

O Papa Francisco convoca-nos a assumir no quotidiano a tarefa de evangelizar, anunciando o poder transformador do Evangelho no dia-a-dia. Impele todos os cristãos a levarem a Boa Nova às pessoas com quem se encontra, tanto aos mais íntimos como aos desconhecidos.

É a pregação informal que se pode realizar durante uma conversa, e é também a que realiza um missionário quando visita um lar. Ser discípulo significa ter disposição permanente de levar aos outros o amor de Jesus; e isto sucede espontaneamente em qualquer lugar: na rua, na praça, num trabalho, num caminho” (EG, 127).

Para que isso seja possível, é preciso que a Mensagem Salvífica seja constante em nossa vivência. Pois, quem procura seguir os Ensinamentos de Cristo não somente se enche de vida, mas quer anunciar. Também está disposto a suportar muitas lutas (Cfr. 1Ts 2, 2) para que o Senhor Jesus chegue a todos os corações.

A exemplo dos Apóstolos, primeiras testemunhas da ressurreição, somos chamados a viver e confessar a presença do Ressuscitado em nossa própria vida, tornando-nos evangelizadores e testemunhas do poder restaurador de Cristo.

Nova Friburgo-RJ, 07 de maio de 2019

Dom Edney Gouvêa Mattoso
Bispo Diocesano de Nova Friburgo


Compartilhe