Alegria, unidade, amor e acolhida

Acessos: 158

Queridos irmãos e irmãs, há cinco meses cheguei a esta querida cidade acolhendo um pedido do Papa Francisco. Um desafio que não acolhi sozinho, mas com o auxílio de todo o Presbitério e de todo o Povo de Deus desta calorosa Diocese.

Em toda a minha experiência de vida, aprendi que não me pertenço, que nada tenho. Pertenço à Igreja. Sempre disponível para amar, alegrar e fazer o povo feliz. É como disse o Santo Padre: “‘episcopado’ é o nome de um serviço, não de uma honra, porque ao bispo compete mais servir do que dominar, segundo o mandamento do Mestre: Quem for o maior entre vós, seja como o menor. E aquele que mandar, como o que serve (cf. Mt 20, 26-27)” (Homilia, 04 out. 2019).

Como é importante servir com alegria, paz, perdão e misericórdia. Reforço o que disse na homilia de minha apresentação oficial: “Nada de cara feia, cara feia assusta! Portanto, de hoje em diante, todos mostrando os dentes de sorrisos, alegria, entusiasmo” (09 fev. 2020).

É verdade que neste período fomos assolados por uma crise mundial, que nos aprisionou dentro de nossas casas e nos impediu de nos encontrar fisicamente. Ao mesmo tempo, esta realidade nos ensinou que não podemos ser aprisionados dentro de nossos corações. Quanto me encantou cada manifestação de carinho, fraternidade e confiança recebi, mesmo na distância.

Louvo a Deus que me permitiu viver esta experiência de fé e serviço, agradeço também todos os que me acolheram em seus corações, apesar das limitações dos tempos que estamos vivendo. Agradeço todos que me acompanharam com suas orações e amizade, meus irmãos no presbitério da Diocese de Montenegro, meus pais que intercedem por mim lá do céu, meus amigos... Quanta gente esteve comigo na missão!

Hoje, através deste texto, deixo meu ‘até logo’ à Diocese de Nova Friburgo e todos os seus diocesanos. Volto às minhas atividades em Montenegro, mas com a bagagem cheia de amizades e boas experiências.

No próximo dia 04 de julho, acolheremos Dom Luiz Antonio Lopes Ricci, novo Bispo desta querida Diocese. Ao recebê-lo, lembremos que é a unidade que nos faz caminhar! Não deixem o Bispo caminhar sozinho. Se todos ajudam, a comunidade se torna forte.

[A] unidade, que o Senhor deu à sua Igreja e na qual Ele quer abraçar a todos, não é um elemento acessório, mas situa-se no centro mesmo da sua obra. Nem se reduz a um atributo secundário da Comunidade dos seus discípulos. Pelo contrário, pertence à própria essência desta Comunidade” (Ut Unum Sint, 9).

Tocados pelo testemunho dos primeiros cristãos, ensinemos ao mundo que o amor e a unidade são fundamentais na construção um mundo mais humano e fraterno.

À Diocese da Alegria meu mais sincero agradecimento e a certeza de minhas orações!

Nova Friburgo-RJ, 30 de junho de 2020

Dom Paulo Antonio De Conto
Administrador Apostólico da Diocese de Nova Friburgo


Compartilhe