‘VIDA - Dom precioso que Deus dá a cada um de nós”, é tema de LIVE sobre a campanha ‘Setembro Amarelo’

Diocese de Nova Friburgo, 21 de setembro de 2021
Acessos: 253


Abraçando à campanha ‘Setembro Amarelo’, mês de prevenção ao suicídio, a Diocese de Nova Friburgo realizou na noite de 15 de setembro, uma LIVE com reflexões sobre a valorização e defesa da vida.  A programação contou com a presença do Bispo Diocesano, Dom Luiz Antonio Lopes Ricci, tendo como convidado o Pe. José Roberto Rosa, da Paróquia Nossa Senhora da Guia, situada em Monnerat – Duas Barras, que abordou o tema ‘VIDA: Dom precioso que Deus dá a cada um de nós”. A LIVE foi transmitida pelas redes sociais da Diocese e está disponível para acesso: https://www.youtube.com/watch?v=muw9rP13StM&t=504s.

Primeiramente, o Assessor Eclesiástico Diocesano da Pastoral da Comunicação, Pe. Aurecir Martins de Melo Junior, trouxe as estatísticas relacionadas ao suicídio, especialmente no Brasil. Os dados podem ser consultados no site: https://www.setembroamarelo.com. Em seguida, o presbítero apresentou o convidado desta noite, destacando que Pe. José Roberto é Mestre de noviços da Congregação Oblatos de Cristo Sacerdote (OCS), em Monnerat; cursou Psicologia, fez pós-graduação em Fenomenologia (São José do Rio Preto) e pós-graduação em Terapia de Família (PUC – SP).

Pe. José Roberto iniciou explicando que sua fala como religioso tem um fundamento espiritual, teológico e psicossociais, tomando como base a sua formação, assim como experiência trabalhando com pessoas, sobretudo com as famílias, que é a base da saúde. Na oportunidade, recordou que não apenas a família tem a responsabilidade sob os seus membros, mas também o Estado, a Nação. O sacerdote também utilizou para o embasamento deste diálogo diferentes passagens bíblicas que destacam o valor da vida.

Citando a constituição brasileira, em seu artigo 5º, afirmou que “a vida é um dom inviolável, deve ser preservada desde o momento da fecundação até a velhice”. Recordou que o direito à vida é também direito à saúde física, psíquica, boa alimentação, educação, entre outros. O presbítero recordou ainda que a Organização Mundial da Saúde (OMS) define a saúde como o bem-estar em âmbito físico, psíquico, social e espiritual. Destacou a relevância da comunicação saudável desde o início da vida e recordou ainda o peso que muitas vezes as redes sociais têm na relação saudável entre as pessoas.

Concluindo a LIVE, Dom Luiz Antonio complementou. “Enquanto Igreja acolhemos essa preocupação com a sociedade, com a vida. A Igreja nunca esteve indiferente à vida, precisamos estar conectados com essa realidade. Por isso, nesse Setembro Amarelo muitas dioceses e paróquias estão realizando eventos como este. Esse evento é uma contribuição da nossa Igreja para pensarmos sobre essa questão que atinge a muitas pessoas, inclusive, de dentro da Igreja, pessoas de fé”.

 

Antes de concluir o Bispo explicou.

- Os temas do suicídio, da depressão e da ansiedade não estão ligados ao âmbito da fé e do âmbito religioso, mas a fé dá um sentido muito profundo a uma situação de dor. O mundo da medicina os cientistas e pesquisadores tem muitos artigos sobre isso, reconhecem a importância da fé num tratamento, no enfrentamento de uma doença. Como a fé faz a diferença para a pessoa que está se tratando e para a pessoa que recebe orações. Mas esses temas são uma questão de saúde, não se trata de falta de fé. Temos pessoas de fé que desenvolveram depressão e outras questões. A fé vai ajudar a enfrentar melhor essa dor, a tocar nessa ferida em vista da sua salvação.

Por fim, o Epíscopo recordou que a data escolhida para esta LIVE foi justamente o Dia de Nossa Senhora das Dores, pois devemos “colocar no colo da Mãe das Dores a nossa dor, e, assim como Maria, permanecer de pé no olhar da fé, ainda que seja aos pés da Cruz. A dor é grande, imaginem a dor de Nossa Senhora aos pés da Cruz, mas ela estava lá de pé procurando um sentido para tudo aquilo a partir da sua fé, também precisamos encontrar um sentido para nossa dor, a partir do Dom da Fé. Como exigência de fé precisamos buscar ajuda”, finalizou.

Texto:Grasiele Guimarães

 


Compartilhe