Bispo empossa Pe. José Ruy como novo Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Glória, em Macaé

Diocese de Nova Friburgo, 06 de outubro de 2020
Acessos: 328


Após 13 meses sob o pastoreio do Pe. Rafael Archetti, a Paróquia Nossa Senhora da Glória, situada em Macaé, acolhe como Pároco o Pe. José Ruy Corrêa Júnior. No dia 1° de outubro de 2020 ocorreu a Santa Missa de Posse Canônica, presidida pelo Bispo Diocesano, Dom Luiz Antonio Lopes Ricci.

Aberta ao público, atendendo às exigências de medidas preventivas municipais e diocesanas, a Celebração Eucarística teve por concelebrantes o Vigário Paroquial, Pe. José Andrio, Pe. Thiago Robadey, Pe. Gleison Lima, Pe. Jeferson Nóbrega, Pe. Marcelo Talon, Pe. Jorge Moreira, Pe. Fábio Filippe, Pe. Celso Diniz, Pe. Bruno Freitas, Pe. Luis Carlos Pedrini, Pe. Luiz Antonio Fernandes, Pe. Pablo Guimarães e Pe. Jorge Almo. O Diácono Lino de Andrade Silva participou da celebração, assim como os membros de pastorais da paróquia e uma parcela da comunidade.

Dom Luiz Antonio iniciou a Santa Missa agradecendo a presença dos padres que compareceram e fez uma saudação especial à Dona Rita e ao Sr. José Ruy, pais do novo Pároco, que não puderam estar presentes na posse por conta da pandemia. Em seguida, deu-se início à leitura da Provisão, pelo Diácono Lino. Logo depois, Pe. José Ruy citou sua Profissão de Fé e fez o Juramento de Fidelidade.

 

No dia em que celebramos Santa Teresinha, o Bispo citou sua vida e virtudes, frisou a opção pela liturgia do dia festivo.

- Santa Teresinha, uma Santa muito popular. Chuva de rosas, de bençãos... É a Santa das coisas pequenas, e as leituras de hoje são da festa de Santa Teresinha. Escolhemos, pois é um dia muito importante na liturgia da Igreja. E vejam, Santa Teresinha, um exemplo de humildade, simplicidade e de confiança em Deus. E aquela frase tão conhecida dela: "minha vocação é o amor, no coração da Igreja serei o amor".  Santa Teresinha descobriu sua vocação nessa relação profunda com Jesus, Ele é o primeiro amor, Deus é amor! E quanto mais nos relacionamos com Deus, mais tomamos consciência de que a nossa identidade, a nossa natureza é o amor."

Ainda sobre a vida da Santa, Dom Luiz Antonio acrescentou. "Santa Teresinha diz "eu serei o amor". Não é praticar o amor, ela diz "ser", é muito mais profundo, pois posso ter um gesto de amor aqui ou acolá, mas, ser o amor é identidade, é essência, é modo de ser”.

No Santo Evangelho o Bispo ressaltou a maior das virtudes que quebra a soberba, e que nos molda ao amor.

- Na lógica do Reino de Deus, o grande é aquele que se faz pequeno, é assim que testemunhou Santa Teresinha. Se fazer pequeno, se fazer criança, se fazer o último, se fazer servidor. Essa é a lógica de Deus, o maior é aquele que se faz pequeno, se faz servidor. Quem ama se coloca a serviço, quem ama cuida, quem ama vai ao encontro, a Igreja em saída, a Igreja samaritana, a misericórdia, a compaixão. Ver, sentir compaixão e cuidar. Então nós queremos pedir

nesta Santa Missa, a graça de também nos tornarmos pequenos, humildes, simples e que coloquemos em Deus, nossa confiança. Ele é o nosso primeiro amor, e que sejamos no mundo, sinal desse amor.

Seguindo com os ritos característicos da cerimônia, o Pe. José Ruy renovou suas promessas sacerdotais, recebeu as chaves da Igreja Matriz e do Sacrário, os paramentos para administração do Sacramento da Penitência e por fim, foi apresentado à cadeira destinada ao assento do Presbítero, local de presidência e simbologia do Cristo Cabeça da Igreja.

 

Ao final, uma representante da Paróquia prestou uma homenagem de acolhimento ao novo Pároco, o recebendo e oferecendo o apoio e serviço da comunidade.

No fim da celebração, o Pe. José Ruy discursou para sua Paróquia.

“Caro Dom Luiz Antonio Lopes Ricci, meu bispo, nosso pastor, caros irmãos no sacerdócio, caros diáconos permanentes, religiosas, seminaristas, queridos irmãos e irmãs, querida comunidade da Paróquia de Nossa Senhora da Glória.

Hoje meu coração está transbordando de alegria, porque, pela graça de Deus, poderei exercer o ministério nesta Paróquia, que me foi confiada por um sucessor dos Apóstolos. Estou feliz por ser de Cristo, feliz por ser da Igreja, feliz por ser sacerdote, feliz por ser o novo Pároco desta comunidade.

Não entendo esta posse de hoje desligada de todo o resto da caminhada de fé onde Deus me acompanhou pacientemente até aqui. Sendo Pároco pela primeira vez, com quase 10 anos de ministério, sinto como se estivesse recomeçando meu caminho. Obrigado Dom Luiz pela confiança!

Como eu disse, não me esqueço da estrada que já trilhei: minha terra natal, meus pais e irmãos, meus avós, catequistas, irmãos e irmãs de fé. O tempo em que fui catequista e coordenador

do Grupos de Oração. O tempo de seminário, as missões, a Pastoral Vocacional. A primeira Paróquia de Sant’Ana em Nova Friburgo. O serviço como Reitor do Seminário. Estes últimos dois anos de estudos. Não me esqueço de nada. Tudo eu elevo a Deus em louvor e, acrescento agora, com ânimo renovado e com o fervor de um iniciante, esta nova missão que hoje recebo e assumo apoiado em Deus, que tudo pode. Ele tudo pode!

Aqui já encontro uma comunidade que também tem a sua história e que entendo, e percebo

por mil demonstrações de carinho, que me acolhe. Não preciso “inventar a roda”, pois já existe uma comunidade, já existe um terreno, uma sementeira, uma messe e inclusive frutos, ou seja, já existe uma história. Outros trabalharam este terreno e com eles irmano-me na mesma esperança: É Deus quem faz crescer.

E eu também não quero perder a oportunidade de crescer! E só conseguirei se estiver no meio de vocês. O padre é parte da comunidade. Tem sua função e seu lugar, que não podem ser menosprezados, mas, como dizia o santo Cura de Ars, não existe para si mesmo, existe para vocês. Por isso, o melhor bom propósito que eu posso formular hoje é de oferecer integralmente meu serviço sacerdotal, não tenho nada mais a aportar. “Eis que venho, Senhor, fazer a vossa vontade”.

Mas tenho também um pedido: Neste tempo de “hiper informação” e “desinformação” peço que nos conheçamos. Concedam-me, por favor, o privilégio de ser eu mesmo para que vocês me

conheçam. Não formulem ideias antes de ter um contato vital comigo. Eu farei o mesmo com vocês! Quero conhecer a cada um pelo nome, como Jesus me ensinou. Com o tempo e com paciência tenho certeza de que todos poderemos cumprir este propósito.

Mais adiante novos bons propósitos serão formulados e precisaremos nos ajudar para que se realizem, mas, de momento, basta este. Coloco-me junto com todos vocês, meus irmãos e irmãs, debaixo da proteção de Nossa Senhora da Glória, nossa Padroeira, e de tantos outros amigos e amigas do Céu que eu e vocês tratamos com devoção.

À Senhora do Céu ofereço tudo o que tenho e sou, para melhor servir a Jesus Cristo, Sabedoria encarnada e meu Senhor. A Vossa proteção recorremos, Santa Mãe de Deus. Não desprezeis nossas súplicas, em nossas necessidades, mas livrai-nos sempre de todos os perigos. Oh Virgem gloriosa e bendita! Rogai por nós, Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém”.

Ao final os padres presentes juntamente com Bispo participaram de uma pequena confraternização no salão paroquial.

Texto:Pascom Paróquia Nossa Senhora da Glória
Foto:Pascom Paróquia Nossa Senhora da Glória

 


Compartilhe