facebook  webmail-2  IOS NOVO  AND NOVO  anuario-icone

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4

Localização - Seminário Diocesano da Imaculada Conceição

JavaScript must be enabled in order for you to use Google Maps.
However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser.
To view Google Maps, enable JavaScript by changing your browser options, and then try again.

        

A voz do pastorCaros amigos, no último domingo celebramos a Solenidade da Santíssima Trindade, dia em que a Igreja conduz seus filhos ao reconhecimento de que Deus é comunhão de amor. Por isso, não é indiferente e nem se faz distante dos sofrimentos e angústias da humanidade.

Explicando o mistério celebrado, a liturgia dominical reza ao Pai, proclamando a unidade divina na trindade das três pessoas – Pai, Filho e Espírito Santo. “Pai Santo..., com vosso Filho único e o Espírito Santo, sois um só Deus e um só Senhor. Não uma única pessoa, mas três pessoas num só Deus” (Prefácio da Ss. Trindade). Três Pessoas que são um só Deus, porque o Pai é amor, o Filho é amor e o Espírito é amor. Deus é tudo e somente amor, amor puríssimo, infinito e eterno (cf. BentoXVI, Angelus 07 jun. 2009).

O mistério da Santíssima Trindade é o mistério central da fé e da vida cristã. É o mistério de Deus em si mesmo. É, portanto, a fonte de todos os outros mistérios da fé, é a luz que os ilumina” (Catecismo da Igreja Católica, 234). Assim, contemplando o mistério do Deus uno e trino, a Igreja encontra respostas para muitos anseios da humanidade.

Pelo Batismo, cada cristão é inserido na comunhão divina de amor e nos tornamos responsáveis pela unidade de todo gênero humano, promovendo a reconciliação de todos os corações em Cristo, base da civilização do amor que todos queremos.

A união com Deus é causa de concórdia entre as pessoas, e sua negação provoca a divisão e a intolerância entre os semelhantes. Somos concordes e, por isso, queremos viver em harmonia com todos. Entretanto, não é raro perceber que também cultivamos sentimentos e ações que não combinam com este ideal.

A Palavra de Deus exorta: “Procurai a paz com todos e a santidade, sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hb 12,14) e “mantende um bom entendimento uns com os outros” (Rm 12, 16). Quando não enxergamos o próximo como templo onde Deus habita, mas a partir de nossos próprios interesses, ferimos esta paz.

São João Paulo II, atento à triste realidade do mundo moderno, despedaçado pela árdua busca de hegemonia, aponta os mais variados elementos geradores de divisão, tais como a crescente disparidade entre grupos, classes e nações, os antagonismos ideológicos as polarizações políticas e as discriminações socio religiosas (cf. Reconciliatio et Paenitentia, 2).

É sempre difícil conviver com as diferenças e, no entanto, este é nosso ambiente natural. Portanto, a paz com os vizinhos, com os amigos e, sobretudo, na família não é puramente resultado dos elementos convergentes de nossos ideais e comportamentos, mas do mútuo entendimento, da tolerância e do amor recíproco. Em suma, a concórdia fraterna é sempre um esforço, uma meta, uma missão!

Somos chamados a promover a paz pela unidade, assim seremos reconhecidos como Filhos de Deus (cf. Mt 5,9). São Paulo nos ensina que, para sermos com Cristo um só corpo, é preciso jogar fora o velho fermento da maldade e da iniquidade, vivendo como pães ázimos da pureza e da verdade (cf. I Cor 5, 7-8).

Infelizmente, a paz e a harmonia, apesar de serem ideais queridos no coração, muitas vezes são negados nas ações. A verdadeira paz tem sua raiz na comunhão da Trindade Divina. É verdadeiramente pacífico quem se deixa vencer pela Verdade e vive a comunhão com Deus e com os irmãos na prática da justiça e da caridade.

Dom Edney Gouvêa Mattoso, Bispo Diocesano de Nova Friburgo

link hotsite3

PARÓQUIAS DA DIOCESE

 

Pensamento da Semana

 O que nos dá alegria e nos aproxima de Deus devemos buscar para os irmãos.

Dom Edney Gouvêa Mattoso