facebook  webmail-2  IOS NOVO  AND NOVO  anuario-icone

 

Newsletter

Inscreva-se aqui para receber as novidades da Diocese de Nova Friburgo.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4

Localização - Seminário Diocesano da Imaculada Conceição

JavaScript must be enabled in order for you to use Google Maps.
However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser.
To view Google Maps, enable JavaScript by changing your browser options, and then try again.

        

A voz do pastorCaros amigos, no último domingo comemoramos o Dia das Mães. Sem dúvida alguma, a humanidade é dependente de uma figura materna que, além de gerar a vida, constrói o futuro.

Infelizmente, a superficialidade tomou conta dessas datas temáticas cada dia mais reduzidas ao consumismo e materialismo. É preciso valorizar o essencial! Não se pode mensurar o valor da renúncia, das dores e alegrias de uma mulher ao abraçar o dom da maternidade.

Diante de tão precioso dom, cabe-nos um coração agradecido a Deus por seu amor manifesto no cuidado e dedicação destas mulheres que se doam, sem esperar nada mais que a recíproca do amor.

São João Paulo II reconhece e denuncia a superficialidade com a qual a sociedade moderna vê a figura da mulher. “Infelizmente, somos herdeiros de uma história com imensos condicionalismos que, em todos os tempos e latitudes, tornaram difícil o caminho da mulher, ignorada na sua dignidade, deturpada nas suas prerrogativas, não raro marginalizada e, até mesmo, reduzida à escravidão” (Carta às mulheres, 29 jun. 1995).

Este modo de proceder não só impediu a mulher de ser profundamente ela mesma, como desvalorizou a sua maternidade, empobrecendo a humanidade inteira das suas autênticas riquezas espirituais.

O Papa Francisco ressalta a importância das mães para a sociedade ao reconhecer que sem elas perderíamos nossa humanidade. São elas que sempre testemunham, mesmo nos piores momentos, a ternura, a dedicação, a força moral (cf. Papa Francisco, 07/01/2015).

Importante destacar que a maternidade não é, e nunca será, um problema. Valorizá-la não é o mesmo que negar às mulheres o desenvolvimento profissional e o exercício de todas as suas dimensões. Ao contrário, marcar a importância da mulher no lar, na educação dos filhos e na transmissão da fé, é garantir-lhe o direito e o dever de sua participação ativa na sociedade (cf. Documento de Aparecida, 456).

Assim, a maternidade não pode ser reduzida à capacidade procriadora da mulher. Ela é, antes de tudo, a capacidade de amar gratuitamente e de testemunhar a beleza da vida com a entrega total e diária.

Ao gerar, as mães fazem nascer o futuro. Educando seus filhos na verdade e ajudando-os a desenvolverem-se no caminho do bem, tornam-se protagonistas na construção de um mundo mais justo e fraterno.

O amor incondicional e voluntário das mães por seus filhos, é antídoto ao individualismo e promotor de virtudes, testemunho da beleza da vida. A exemplo destas mulheres, geradoras de futuro, lutemos contra a mentalidade que tende a transformar as pessoas em coisas e os sentimentos em valores.

Em Maria Santíssima encontramos o grande paradigma da maternidade. Mulher atenta aos desígnios Deus e às necessidades e dores de seu Filho. Fez com Ele o caminho da Cruz, sendo testemunha, com os Apóstolos, dos primeiros sinais de Sua vitória sobre a morte, que reacende a esperança de um mundo novo anunciado pela Ressurreição. Seja ela o grande exemplo de maternidade na Igreja e para todas as mulheres, principalmente, as que foram ornadas com este dom.

Deus abençoe e proteja nossas mães, hoje e sempre.

Dom Edney Gouvêa Mattoso, Bispo Diocesano de Nova Friburgo

link hotsite3

PARÓQUIAS DA DIOCESE

 

Pensamento da Semana

 O que nos dá alegria e nos aproxima de Deus devemos buscar para os irmãos.

Dom Edney Gouvêa Mattoso