facebook  webmail-2  IOS NOVO  AND NOVO  anuario-icone 

 

Newsletter

Inscreva-se aqui para receber as novidades da Diocese de Nova Friburgo.

Localização - Seminário Diocesano da Imaculada Conceição

JavaScript must be enabled in order for you to use Google Maps.
However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser.
To view Google Maps, enable JavaScript by changing your browser options, and then try again.

        

O Fruto da Esperança

Caros amigos, no dia 01 de novembro a Igreja celebrará a Solenidade de Todos os santos e em 02 de novembro a Comemoração de todos os fiéis Defuntos. Tais festas, aparentemente tão distintas têm em comum a esperança e a aspiração de felicidade colocada por Deus no coração de todo homem (cf. Catecismo da Igreja Católica, 1818).

A doutrina católica afirma que este desejo de felicidade, alimentado pela virtude da esperança, encontra sua plena realização no cumprimento das promessas de Cristo de um novo céu e uma nova terra.

Em contrapartida, o pensamento marxista, manifesto pelo ateísmo atual, sustenta que a esperança cristã afasta o homem da realidade e da construção de um mundo melhor, já que estimula a expectativa quimérica de uma vida futura.

Este modo de pensar é incapaz de alcançar a concretude da religião, pois a vê como um mecanismo da mente humana para suportar o peso da existência e a angústia diante de certas questões que envolvem a vida humana, tais como a morte e o sofrimento.

Contudo, o pensamento cristão entende que a esperança da vida futura não diminui a importância das ações humanas na construção do agora, mas apoia o seu cumprimento.

Quando se extingue o fundamento divino da vida humana e a esperança da vida eterna, a dignidade do homem é ferida gravemente. A esperança sede lugar ao imediatismo e o valor de cada pessoa é reduzido à sua capacidade de produzir. Por este raciocínio, podemos chegar à origem de ideologias que, na defesa de um mundo melhor, são capazes de defender o aborto, a eutanásia e as mais absurdas ações eugênicas, como a manipulação embrionária.

O Concílio Vaticano II, atento às palavras exortativas de Jesus – “que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se vem a perder-se a si mesmo e se causa a sua própria ruina?” (Lc 9,25) – reforça que “a esperança de uma nova terra, longe de atenuar, antes deve impulsionar a solicitude pelo aperfeiçoamento desta terra. Nela cresce o Corpo da nova família humana que já pode apresentar algum esboço do novo século” (Gaudium et Spes, 39).

Sem dúvida, o progresso terreno é diverso da propagação do Reino de Cristo. Mas, ao mesmo tempo, são intimamente relacionados. Na medida em que o progresso humano reflete na organização da sociedade a defesa dos valores da dignidade humana, da comunidade fraterna e da liberdade, cresce em nosso meio o “reino de verdade e vida, reino de santidade e de graça, reino de justiça, de amor e de paz” (Prefácio da Festa de Cristo Rei).

O Papa Francisco, ao refletir sobre a esperança, nos ajuda a compreender que a certeza do Céu e da Felicidade eterna não faz do cristão um ser estático diante das urgências do cotidiano, mas o faz caminhar, torna-o agente da construção deste reino esperado. O Pontífice explica que a “esperança é concreta, é de todos os dias porque é um encontro. E todas as vezes que encontramos Jesus na Eucaristia, na oração, no Evangelho, nos pobres, na vida comunitária, todas as vezes damos um passo a mais rumo a este encontro definitivo” (Homilia, 23 out. 2018).

As celebrações de Todos os Santos e dos fiéis defuntos expressam a fé da Igreja na vida que se perpetua após a morte. Ciente de que este mundo é passageiro e que esperamos uma realidade futura (cf. Hb 13,14), busquemos viver, sem negligenciar os deveres terrestres, a construção, no agora da nossa existência, a vida eterna que nos espera. Pois, na verdade, já experimentamos o céu que aguardamos, quando vivemos nossas relações pessoais e sociais fundamentadas pelos valores evangélicos.

Dom Edney Gouvêa Mattoso,
Bispo Diocesano de Nova Friburgo
link hotsite3

PARÓQUIAS DA DIOCESE

 

Pensamento da Semana

 O que nos dá alegria e nos aproxima de Deus devemos buscar para os irmãos.

Dom Edney Gouvêa Mattoso