facebook  webmail-2  IOS NOVO  AND NOVO  anuario-icone 

 

Newsletter

Inscreva-se aqui para receber as novidades da Diocese de Nova Friburgo.

A voz do pastor

12/02/2019, 12:24
tragedia-ou-crimeCaros amigos, acompanhamos com pesar o terrível acontecimento na cidade mineira de Brumadinho. As cenas...
05/02/2019, 12:21
a-volta-as-aulaCaros amigos, aproxima-se a volta às aulas. Neste contexto, é necessário refletirmos sobre a importância...
29/01/2019, 13:25
o-desinteresse-pela-verdadeCaros amigos, diante do dinamismo de informações e da influência exercida pelas grandes mídias na...
22/01/2019, 12:37
conservar-a-unidadeCaros amigos, acompanhamos nos últimos dias discussões acirradas quanto às possíveis soluções para o...
15/01/2019, 12:06
o-batismo-e-a-feCaros amigos, neste último domingo, com a Solenidade do Batismo do Senhor, encerrou-se o tempo litúrgico...

O desinteresse pela verdade

A voz do pastorCaros amigos, diante do dinamismo de informações e da influência exercida pelas grandes mídias na cultura e comportamento humano, se faz necessário um cuidado atento às desconstruções de conceitos fundamentais para o homem e para a sociedade.

O desinteresse pelo o que é verdadeiro chega ao limite do tolerável. O pensamento pós-moderno, inspirado pela dúvida cartesiana, questiona toda e qualquer verdade absoluta, fazendo que a humanidade viva como se não houvesse mais o certo e o errado.

Regida pelo relativismo, a cultura atual desacredita a secular tradição que compreendia o conhecimento das coisas sob o viés da unidade da razão humana, isto é, sob o conceito absoluto de verdade. Muitas são as investidas socioculturais que tendem construir um itinerário de fragmentação deste conceito. Contrárias a todo e qualquer projeto de unidade, funda o conhecimento da realidade na multiplicidade do mundo dos sentidos. Cada qual, por sua experiência, constrói a sua própria verdade.

O Papa Francisco no início de seu pontificado, relembrando as palavras de seu predecessor, denuncia a ‘ditadura do relativismo’ que invade nossas escolas e casas, colocando em perigo a sadia convivência entre os homens. “Sem a verdade, não há verdadeira paz. Não pode haver verdadeira paz, se cada um é a medida de si mesmo, se cada um pode reivindicar sempre e só os direitos próprios, sem se importar ao mesmo tempo com bem dos outros, com bem de todos, a começar da natureza comum a todos os seres humanos nesta terra (Discurso ao Corpo diplomático, 22 mar. 2013).

Infelizmente, acompanhamos o surgimento de várias ideias que atentam contra a imutabilidade da lei natural. Ideologias como a de gênero, por exemplo, agem diretamente contra o princípio de verdade. Dizer que a sexualidade de cada pessoa é algo subjetivo desconexa da objetividade do corpo é, no mínimo, fechar os olhos e negar o princípio lógico da identidade.

“O perigo da ‘colonização’ das consciências por uma ideologia que nega a certeza profunda segundo a qual o ser humano existe como homem e mulher, a quem foi dada a tarefa da transmissão da vida; essa ideologia que chega à produção planejada e racional dos seres humanos e que – talvez por algum motivo considerado ‘bom’ – chega a considerar lógico e lícito cancelar aquilo que já não se considera criado, doado, concebido e gerado, mas feito por nós mesmos” (Papa Francisco).

A Lei Natural é o fundamento moral indispensável para edificar a comunidade dos homens e para elaborar a lei civil. E a negação de sua universalidade e imutabilidade torna impossível a edificação de uma comunhão real e duradoura com o outro. Quem se autoproclama medida única das coisas e da verdade não pode conviver e colaborar com os próprios semelhantes (cf. Compêndio da Doutrina Social, 142).

O obscurecimento da percepção da universalidade e imutabilidade da verdade contida na lei natural, gera uma cisão entre a liberdade dos indivíduos e a natureza comum a todos. Contudo, São João Paulo II explica que, enquanto exprime a dignidade da pessoa humana e põe a base dos seus direitos e deveres fundamentais, a lei natural é universal nos seus preceitos e a sua autoridade estende-se a todos os homens (cf. Veritatis Splendor, 51).

Assim, auxiliados por Aquele que é o Caminho, a Verdade e a Vida (cf. Jo 14,6), esforcemo-nos para que os nossos atos edifiquem, na caridade, a comunhão entre as pessoas e a promoção do reino de justiça e paz. Estejamos atentos para que nenhum dos nossos sejam seduzidos por qualquer vento de vã doutrina (cf.Hb 13,9).

Dom Edney Gouvêa Mattoso, Bispo Diocesano de nova Friburgo

link hotsite3

PARÓQUIAS DA DIOCESE

 

Pensamento da Semana

 O que nos dá alegria e nos aproxima de Deus devemos buscar para os irmãos.

Dom Edney Gouvêa Mattoso