facebook  webmail-2  IOS NOVO  AND NOVO  anuario-icone 

A voz do pastor

16/10/2018, 16:49
nossa-missao-e-unir-o-que-esta-divididoCaros amigos, o resultado das eleições no primeiro turno, dentre muitas coisas, evidenciou o grande...
09/10/2018, 14:10
educar-para-o-bemCaros amigos, no próximo dia 15 comemoramos o dia dos professores. Neste ensejo, cabe-nos refletir sobre...
02/10/2018, 14:01
o-consciente-exercicio-da-democraciaCaros amigos, no próximo domingo somos chamados a exercer livre e responsavelmente o nosso papel cívico....
25/09/2018, 16:07
a-sagrada-escritura-e-a-vida-cristaCaros amigos, a Palavra de Deus está na base da vida cristã, ela é alimento da alma e fonte perene de...
18/09/2018, 13:16
a-sagrada-escritura-na-igrejaCaros amigos, na semana passada, diante da tragédia do Museu Nacional, refletíamos sobre a importância...

A Sagrada Escritura na Igreja

A voz do pastorCaros amigos, na semana passada, diante da tragédia do Museu Nacional, refletíamos sobre a importância da preservação dos bens histórico-culturais. A conservação da história, com sua cultura e valores autênticos, é o que garante a construção da identidade de uma nação.

No ensejo de tal reflexão, gostaria de retomar as considerações sobre a Bíblia neste mês de setembro. As páginas das Sagradas Escrituras formam o testemunho escrito da Palavra divina, um memorial que confirma o acontecimento da Revelação de Deus ao homem. Originalmente, este testemunho não foi posto por escrito e guardado como uma peça de museu. A Bíblia, como a conhecemos hoje, é fruto de um longo processo.

Marcado pela ação divina na história, o povo de Israel guardou na mente e no coração a memória dos fatos e das palavras pelas quais Deus se revelou a Si mesmo e deu a conhecer o mistério da Sua vontade, formando uma tradição que foi conservada e transmitida oralmente pelos mais velhos nas reuniões nas sinagogas.

Com o passar do tempo e a dispersão do povo, surge a necessidade de zelar pela fidelidade do conteúdo revelado. Através da prática da escrita em papiros e pergaminhos, a revelação divina conservou-se imutável ao longo dos séculos.

Ensina o Concílio Vaticano II que “Deus dispôs amorosamente que permanecesse integro e fosse transmitido a todas as gerações tudo quanto tinha revelado para salvação de todos os povos” (Dei Verbum, 7). A Igreja, na herança de Israel e cumprindo a ordem de pregar a todos o Evangelho, guardou com fidelidade “aquilo que tinha recebido dos lábios, convivência e obras de Cristo, e o que tinha aprendido por inspiração do Espírito Santo, como por aqueles Apóstolos e varões apostólicos que, sob a inspiração do mesmo Espírito Santo, escreveram a mensagem da salvação” (idem).

Se hoje é possível termos em mãos o livro da Bíblia, é devido ao trabalho incessante da Igreja em copiar e guardar os pergaminhos dos textos sagrados que, inspirados por Deus, transmitem a Verdade Revelada, fonte de salvação de toda a humanidade.

A Igreja Católica, no exercício do Magistério, foi quem conservou e decretou o cânon dos livros que compõem a Bíblia; o que ocorreu somente no final do século IV sendo confirmada e definida a lista completa no Concílio de Trento (século XVI).

Em suma, a Sagrada Tradição e a Sagrada Escritura constituem um só e mesmo depósito da Palavra de Deus, confiado à Igreja. E acrescenta o Concílio: “o encargo de interpretar autenticamente a Palavra de Deus escrita ou contida na Tradição, foi confiado só ao magistério vivo da Igreja, cuja autoridade é exercida em nome de Jesus Cristo” (Dei Verbum, 10).

Assim, a experiência de fé de um povo na sua relação com Deus reuniu diversos livros inspirados, a que chamamos Bíblia. Consequentemente, sua interpretação está submetida à tutela da Igreja que, por mandado divino e com a assistência do Santo Espírito, transmite fielmente a Palavra de Deus.

Se a Bíblia foi conservada assim, é porque nela a comunidade eclesial encontra sua identidade esboçada. A Sagrada Escritura é, por assim dizer, testemunha fiel do valor que a Igreja atribui à tradição e à cultura para a formação da identidade de um povo. Que o cuidado da Igreja com as Sagradas Escrituras e demais símbolos que expressam a experiência de fé através dos séculos, sirva de inspiração para todos os que têm o dever de conservar a história e a cultura do povo brasileiro.

Dom Edney Gouvêa Mattoso, Bispo Diocesano de Nova Friburgo

link hotsite3

PARÓQUIAS DA DIOCESE

 

Pensamento da Semana

 O que nos dá alegria e nos aproxima de Deus devemos buscar para os irmãos.

Dom Edney Gouvêa Mattoso