facebook  webmail-2  IOS NOVO  AND NOVO  anuario-icone 

A voz do pastor

11/12/2018, 12:58
entre-as-coisas-que-passam-abracar-as-que-nao-passamCaros amigos, aproxima-se a grande festa do nascimento de Jesus, o Verbo Divino feito carne. A Igreja,...
04/12/2018, 13:31
ave-cheia-de-graca-lc-128Caros amigos, aproxima-se a grande solenidade da Imaculada Conceição de Maria, Padroeira de nossa...
27/11/2018, 13:15
leigos-e-leigas-construtores-da-justica-e-da-pazCaros amigos, neste último domingo, na Solenidade de Cristo Rei do Universo, a Igreja no Brasil celebrou...
20/11/2018, 12:34
a-caridade-cristaCaros amigos, no último domingo (18/11) celebramos o II Dia Mundial do Pobre, uma ação da Igreja em...
13/11/2018, 11:48
dez-anos-do-acordo-brasil-santa-seCaros amigos, neste mês de novembro comemoramos o décimo aniversário do acordo firmado entre o Governo...

O apelo da cultura

A voz do pastorCaros amigos, entre tantas preocupações da Igreja encontramos o cuidado com os bens culturais que expressam artística e documentalmente os registros da história que nos ajudam a compreender o presente e projetar o futuro.

A Comissão Pontifícia para os Bens Culturais da Igreja nos ajuda a entender melhor o sentido e a importância da preservação da história e da cultura quando diz: “Numa cultura, às vezes desagregada, somos chamados a tomar iniciativas que tornem possível redescobrir o que, cultural e espiritualmente, pertence à coletividade, não no sentido apenas turístico, mas propriamente humano. Neste sentido, é possível redescobrir as finalidades do patrimônio histórico-artístico, para usufruir do mesmo como um bem cultural”.

Na última semana, acompanhamos e lamentamos profundamente o incêndio do Museu Nacional no Rio de Janeiro, o maior museu de história natural do Brasil. As perdas materiais são incalculáveis. Grande parte do seu acervo foi destruída pelas chamas na noite de domingo, 02 de setembro.

O prédio criado por Dom João VI completou 200 anos de existência em junho deste ano. Sendo a instituição científica mais antiga do país, abrigava mais que coleções de geologia, paleontologia, botânica, zoologia, antropologia biológica, arqueologia e etnologia. Abrigava, acima de tudo, uma parte ponderável da história e cultura brasileiras.

Aquelas paredes foram testemunhas de fatos marcantes para o povo brasileiro. Neste prédio, a princesa Leopoldina, casada com D. Pedro I, assinou a carta que levou à Independência do Brasil, em 1822. Anos mais tarde, foi lá também que aconteceu a primeira Assembleia Constituinte da República, marcando o fim do Império no Brasil.

Hoje, aquelas cinzas e escombros nos contam uma triste parte de nossa história. Narram o desprezo pela memória histórica de um povo e o descaso pela pesquisa no Brasil. Apesar da preservação dos bens culturais ter importância reconhecida mundialmente, não é difícil perceber o desinteresse público e particular com as instituições que tutelam a imagem viva de tempos passados e presentes.

É comum, nas cidades do interior do país, observarmos a degradação de inúmeros imóveis ricos em valor artístico e cultural. Muitas vezes estes marcos da nossa história e cultura, lamentavelmente, desaparecem para dar lugar a edificações que visam satisfazer interesses econômicos particulares ou de algumas instituições.

Diante disto, importa destacar que a Igreja, no Concílio Vaticano II, ensina que “a experiência dos séculos passados, os progressos científicos, os tesouros encerrados nas várias formas de cultura humana, manifestam mais plenamente a natureza do homem e abrem novos caminhos para a verdade” (Gaudium et spes, 44).

Os bens histórico-culturais são a memória da humanidade, são o elo entre o passado o presente. Por meio deles, o conhecimento é transmitido, a identidade de um povo é formada e o futuro é construído. Em suma, descobrimos a verdade a partir das descobertas anteriores.

Infelizmente, a dinâmica da sociedade pós-moderna absolutiza o presente, isolando-o do patrimônio cultural do passado, rompendo com a tradição. Sem os parâmetros da conservação da história, o homem perde o rumo de sua própria identidade; declinando ao conformismo de fazer somente o que os outros fazem ou ao totalitarismo de fazer somente o que os outros querem que faça (cf. Viktor Frankl, O Sofrimento de Uma Vida sem Sentido, 11).

Sobre este tema, afirmou o Papa Emérito Bento XVI: “o ‘conflito’ entre a tradição e o presente exprime-se na crise da verdade, pois só esta pode orientar e traçar o rumo de uma existência realizada, como indivíduo e como povo. De fato, um povo, que deixa de saber qual é a sua verdade, fica perdido nos labirintos do tempo e da história, sem valores claramente definidos, sem objetivos grandiosos claramente enunciados” (12 mai. 2010).

O incêndio que destruiu o museu histórico e científico mais antigo e importante do nosso país, testifica o emblemático alerta sobre os rumos que a cultura brasileira tem tomado. É preciso superar o discurso vazio e politizado criado em torno desta tragédia para aprofundar a reflexão sobre o valor da história para a edificação de um futuro consciente e do justo direcionamento dos orçamentos públicos à preservação de bens culturais e de interesse histórico.

Dom Edney Gouvêa Mattoso, Bispo Diocesano de Nova Friburgo

link hotsite3

PARÓQUIAS DA DIOCESE

 

Pensamento da Semana

 O que nos dá alegria e nos aproxima de Deus devemos buscar para os irmãos.

Dom Edney Gouvêa Mattoso