facebook  webmail-2  IOS NOVO  AND NOVO  anuario-icone 

 

Newsletter

Inscreva-se aqui para receber as novidades da Diocese de Nova Friburgo.

A voz do pastor

17/07/2018, 13:14
confianca-em-deusCaros amigos, continuamos nossa reflexão sobre o tema da santidade, motivados pela Exortação Apostólica...
10/07/2018, 14:49
sede-santosCaros amigos, a cada dia o chamado a uma vida santa se renova. O caminho de santidade pode e deve ser...
03/07/2018, 15:31
o-valor-do-dialogoCaros amigos, a pouco tempo dedicamos uma reflexão sobre a responsabilidade em comunicar a verdade nas...
26/06/2018, 15:28
o-protagonismo-social-do-leigoCaros amigos, o “Ano do laicato” celebrado pela Igreja no Brasil é um apelo aos cristãos leigos e leigas...
19/06/2018, 14:19
a-massificacao-da-comunidadeCaros amigos, a dimensão social inerente à natureza humana (cf. Gaudium et spes, 12) influi diretamente...

“Formaste-te me no seio de minha mãe” (Sl 138,13)

A voz do pastorCaros amigos, a maternidade é dom precioso de Deus e participação em sua obra criadora (cf. São João Paulo II, 12/03/1980). Toda nova vida que se forma no seio materno, é um projeto de Deus Pai e do seu amor eterno. Antes de ser gerada no ventre, está, desde sempre, no coração de Deus e por Ele é amada (cf. Amoris laetitia, 168).

O dom da maternidade não se resume somente na capacidade procriadora da mulher. Ele é, antes de tudo, a capacidade de amar gratuitamente e de testemunhar a beleza da vida com a entrega total e diária. “Ser mãe não significa somente colocar um filho no mundo, mas é também uma escolha de vida (...) é a escolha de dar a vida” (Papa Francisco, 07/01/2015).

Vale a pena lembrar que valorizar a maternidade, não é o mesmo que negar às mulheres o desenvolvimento profissional e o exercício de todas as suas dimensões. Marcar a importância da mulher no lar, na educação dos filhos e na transmissão da fé, não significa usurpar-lhe o direito e o dever de sua participação ativa na sociedade (cf. Documento de Aparecida, 456).

“Uma sociedade sem mães seria uma sociedade desumana, porque as mães sabem testemunhar sempre, mesmo nos piores momentos, a ternura, a dedicação, a força moral. As mães transmitem, muitas vezes, também o sentido mais profundo da prática religiosa: nas primeiras orações, nos primeiros gestos de devoção que uma criança aprende, é inscrito no valor da fé na vida de um ser humano” (Papa Francisco, 07/01/2015).

Apesar de todo o seu valor para a construção de um mundo novo, a figura da mãe, denuncia o Santo Padre, é pouco escutada e pouco ajudada no dia-a-dia, pouco considerada no seu papel central na sociedade. Para isto, basta refletirmos o que se tornou o Dia das Mães: uma ótima oportunidade de mercado, na qual se valoriza o consumo em detrimento do carinho e atenção. A comemoração hoje segue a lógica do consumo, que procura transformar tudo em objeto de troca, tudo se torna negociável.

A dinâmica própria da maternidade não condiz com essa lógica. A doação da vida de uma mãe por um filho não pode ser mensurada pelas cifras, embrulhos e fitas dos presentes que recebem. A única medida capaz de abarcar a grandeza maternal é a infinitude da gratuidade do amor.

Maria é o exemplo pleno de Mãe. O mistério de sua maternidade divina contém a medida superabundante daquele dom de graça que cada maternidade humana traz consigo (cf. Bento XVI, 01/01/2012). Desde a decisão desafiadora de abraçar a missão de ser Mãe do Filho de Deus, encerrada na convicção de seu Sim, a Virgem de Nazaré gerou, ensinou, cuidou e amou até o fim. Maria, aos pés da cruz, com o coração traspassado pela dor de Seu Filho, transbordou-se em amor. E por Ele foi amada até o extremo de sua entrega na cruz, quando a deixou aos cuidados de João (cf. Jo 19,27).

Por isso, cabe a nós filhos e filhas, agradecer a todas as mulheres que exercendo o dom da maternidade fazem deste mundo um lugar melhor, alimentando-nos na fé, esperança e caridade. “Obrigado a ti, mulher-mãe, que te fazes ventre do ser humano na alegria e no sofrimento de uma experiência única, que te torna o sorriso de Deus para o novo ser que dás a luz, que te faz guia dos seus primeiros passos, amparo do seu crescimento, ponto de referência por todo o caminho da vida” (São João Paulo II, 29/06/1995).

Dom Edney Gouvêa Mattoso, Bispo Diocesano de Nova Friburgo

link hotsite3

PARÓQUIAS DA DIOCESE

 

Pensamento da Semana

 O que nos dá alegria e nos aproxima de Deus devemos buscar para os irmãos.

Dom Edney Gouvêa Mattoso