facebook  webmail-2  IOS NOVO  AND NOVO  anuario-icone 

 

Newsletter

Inscreva-se aqui para receber as novidades da Diocese de Nova Friburgo.

A voz do pastor

17/07/2018, 13:14
confianca-em-deusCaros amigos, continuamos nossa reflexão sobre o tema da santidade, motivados pela Exortação Apostólica...
10/07/2018, 14:49
sede-santosCaros amigos, a cada dia o chamado a uma vida santa se renova. O caminho de santidade pode e deve ser...
03/07/2018, 15:31
o-valor-do-dialogoCaros amigos, a pouco tempo dedicamos uma reflexão sobre a responsabilidade em comunicar a verdade nas...
26/06/2018, 15:28
o-protagonismo-social-do-leigoCaros amigos, o “Ano do laicato” celebrado pela Igreja no Brasil é um apelo aos cristãos leigos e leigas...
19/06/2018, 14:19
a-massificacao-da-comunidadeCaros amigos, a dimensão social inerente à natureza humana (cf. Gaudium et spes, 12) influi diretamente...

A dignidade do trabalho

A voz do pastorCaros amigos, hoje, 1º de maio, diversos países do mundo comemoram o dia do trabalho, mesmo dia em que foi instituído, pelo Papa Pio XII, a Festa de São José Operário.

Em sua labuta diária, José, o carpinteiro de Nazaré, dava testemunho de um homem repleto de virtudes; perfeito exemplo de um trabalhador que compreende a dignidade e a importância do trabalho de suas mãos.

O trabalho constitui uma dimensão fundamental da existência humana sobre a terra. Deus, após criar homem e mulher à sua imagem e semelhança (cf. Gn 1,27), ordena-lhes submeter a terra (cf. Gn 1,28), tornando-os participantes de sua obra criadora.

A missão de submeter a si a terra e tudo o que ela contém, de governar o mundo na justiça e na santidade implica, em primeiro lugar, o reconhecimento de Deus como o Criador de todas as coisas e, por conseguinte, a ordenação de todo trabalho humano à glorificação do nome de Deus por toda a terra (cf. Gaudium et Spes, 34).

A igreja afirma ainda que “os homens e as mulheres que, ao ganhar o sustento para si e suas famílias, de tal modo exercem a própria atividade que prestam conveniente serviço à sociedade, com razão podem considerar que prolongam com o seu trabalho a obra do Criador, ajudam os seus irmãos e dão uma contribuição pessoal para a realização dos desígnios de Deus na história” (idem).

Neste sentido, o trabalho humano, “longe de ser desprovido de dignidade, molesto e odioso, é, pelo contrário, uma fonte de alegria, de felicidade e de nobreza” (Fulgens Radiatur, 29). O trabalho não é apenas uma ação que transforma as coisas provendo o sustento do homem e da sociedade; é, antes de mais nada, realização plena do próprio sujeito que executa a ação; através do labor “se aprende muitas coisas, desenvolve as próprias faculdades, sai de si e eleva-se sobre si mesmo. Este desenvolvimento, bem compreendido, vale mais do que os bens externos que se possam conseguir” (Gaudium et spes, 35), fazendo valer assim a sabedoria popular: o trabalho enobrece o homem.

Em contrapartida, a expansão da economia global e a constante luta pelo lucro agrava a competividade e limita o valor do homem e do trabalho à produtividade. Merece destaque as significativas mudanças estratégicas para a ampliação dos lucros dos investidores e os consequentes impactos sobre a classe dos trabalhadores (cf. Visita Pastoral do Papa Francisco a Gênova).

Influenciada pela cultura do materialismo, a sociedade hodierna trata o trabalho humano como uma mercadoria e a pessoa como uma força anônima necessária para a produção. Nesta dinâmica, cresce a necessidade de longas jornadas de trabalho, em detrimento do descanso digno de todo trabalhador, além da precarização do trabalho causada pelo aumento da terceirização, entre tantas outras situações que privam o trabalhador de sua dignidade. É necessário sempre relembrar que o “trabalho é ‘para o homem’ e não o homem ‘para o trabalho’” (Laborem exercens, 6).

Não se pode cair na tentação de julgar o valor e a dignidade do trabalho apenas pelas conquistas materiais e financeiras que ele proporciona. Pois, independentemente da finalidade e objeto do trabalho - de todo e qualquer trabalho - permanece sempre a pessoa como seu sujeito principal.

Concluímos esta reflexão repetindo as palavras do Santo Padre, o Papa Pio XII, ao instituir a Festa de São José Operário, pedindo que o humilde operário de Nazaré, além de encarnar diante de Deus e da Igreja a dignidade do trabalho manual, seja também o providente guardião de todos os trabalhadores e suas famílias.

Dom Edney Gouvêa Mattoso, Bispo Diocesano de Nova Friburgo

link hotsite3

PARÓQUIAS DA DIOCESE

 

Pensamento da Semana

 O que nos dá alegria e nos aproxima de Deus devemos buscar para os irmãos.

Dom Edney Gouvêa Mattoso