facebook  webmail-2  IOS NOVO  AND NOVO  anuario-icone 

 

Newsletter

Inscreva-se aqui para receber as novidades da Diocese de Nova Friburgo.

A voz do pastor

10/01/2018, 20:44
a-paz-e-fruto-da-justica-e-da-verdadeCaros amigos, tratamos em nossa última reflexão sobre a responsabilidade que cada um deve assumir para...
02/01/2018, 16:34
construir-a-pazCaros amigos, mais um ano se inicia e, com ele, se renovam nossas esperanças por um mundo de paz e...
18/12/2017, 22:10
hoje-nasceu-para-nos-o-salvadorCaros amigos, aproxima-se o Natal. Na cidade, é notória a mobilização das pessoas: o clima natalino...
11/12/2017, 18:17
o-3-bispo-diocesano-e-nossa-senhora-de-guadalupeCaros amigos, hoje, dia 12 de dezembro, celebramos Nossa Senhora de Guadalupe, que apareceu ao índio São...
11/12/2017, 18:07
mae-imaculada-mae-compadecidaCaros amigos, no dia 8 de dezembro a Igreja celebra a Imaculada Conceição, pois “a beatíssima Virgem...

Ensino Religioso: tolerância ou intolerância?

A voz do pastorCaros amigos, refletir sobre o tema da educação é urgente em nossa sociedade, cabe à Igreja, por exigência de sua missão, debruçar-se sobre ele.

Recentemente, o Supremo Tribunal Federal (STF) reafirmou a constitucionalidade do ensino religioso confessional e plural nas escolas, o que gerou muitas controvérsias. Alguns alegam que, além do ensino religioso confessional ferir o princípio de laicidade, inflamaria atos de intolerância.

Contudo, o artigo 205 da Constituição Brasileira diz que um dos objetivos da educação é o “pleno desenvolvimento da pessoa”. Logo, deve formar cada indivíduo em valores fundamentais para o seu crescimento individual e da sociedade. Além disso, não se pode esquecer que quase sempre estes valores estão vinculados a um credo religioso, fato comprovado pela Declaração Universal dos Direitos Humanos que recolheu das religiões os elementos fundamentais de suas cláusulas.

Assim, é preciso entender que a laicidade do Estado não significa que o povo não tenha religião ou cultura religiosa, mas é a garantia da liberdade de credo de todos, separando a esfera religiosa da política e incentivando os valores positivos que cada crença pode aportar ao todo social.

Por isso, privar os pais da possibilidade de escolher a educação que darão a seus filhos, inclusive no campo religioso, é uma ação de intolerância. Tenho certeza de que nós, cidadãos, percebemos que há valores importantes na religião que nenhuma outra disciplina é capaz de suprir. Esta liberdade dos pais demarca sua importante e insubstituível presença na educação dos filhos.

Irônico é perceber que os grandes discursos regados de tolerância à diversidade e pluralidade da fé do povo brasileiro são, na verdade, ideologias encobertas e expressam uma censura prévia aos dogmas religiosos.

O combate à intolerância religiosa passa por uma educação que seja capaz de formar o indivíduo em sua identidade, pois a diversidade só pode ser defendida quando a identidade é preservada. Os valores transmitidos pelas religiões são, na verdade, os meios mais eficazes para se evitar ações intolerantes.

O ensino religioso confessional e plural promove a identidade quando garante o acesso ao conteúdo da fé sem a influência de conceitos externos a ela. O magistério da Igreja reprova todo e qualquer ato de violência e discriminação relacionado a raça ou cor, condição e religião. E, também ensina a seus fiéis que “não podemos invocar Deus como Pai comum de todos, se nos recusamos a tratar como irmãos alguns homens, criados à Sua imagem” (Nostra Aetate, 5).

Dom Edney Gouvêa Mattoso, Bispo Diocesano de Nova Friburgo

link hotsite3

PARÓQUIAS DA DIOCESE

 

Pensamento da Semana

 O que nos dá alegria e nos aproxima de Deus devemos buscar para os irmãos.

Dom Edney Gouvêa Mattoso