facebook  webmail-2  IOS NOVO  AND NOVO  anuario-icone 

 

Newsletter

Inscreva-se aqui para receber as novidades da Diocese de Nova Friburgo.

A voz do pastor

14/11/2017, 18:29
bem-aventurados-vos-os-pobres-porque-vosso-e-o-reino-de-deus-lc-6-20Queridos amigos, vivemos em um tempo de grande contradição aos conselhos evangélicos. A todo instante...
07/11/2017, 16:19
a-vida-transformadaCaros amigos, iniciamos o mês de novembro, que encontra sua tônica espiritual na Solenidade de Todos os...
30/10/2017, 17:50
arte-e-sociedadeCaros amigos, a arte é uma das expressões mais sublimes da cultura humana. Poderíamos dizer, inclusive,...
24/10/2017, 23:54
ensino-religioso-tolerancia-ou-intoleranciaCaros amigos, refletir sobre o tema da educação é urgente em nossa sociedade, cabe à Igreja, por...
16/10/2017, 21:42
educar-juntos-2017Caros amigos, nossas reflexões lançam um olhar global sobre a participação conjunta da vocação religiosa...

Em que acreditar?

A voz do pastorCaros amigos, vivemos em uma tradição de instituições, que por meio de sua credibilidade e comprovada estabilidade, marcaram o caminho da sociedade atual. É comum, inclusive, esquecer dos indivíduos e lembrar das instituições como agentes da história.

Hoje, entretanto, há uma forte onda individualista influenciando a mentalidade moderna, onde a intimidade do homem parece estar sempre “à mostra”, sobretudo, nas redes sociais, que são cada vez mais populares e rápidas. Deste modo, percebemos mais facilmente as incoerências dos indivíduos. Podemos dizer que “descobrimos o que todo mundo já sabia” ou deveria saber: que o ser humano peca, falha, é incoerente em muitos pontos e que a impecabilidade é uma espécie de “sonho do paraíso perdido”. E, por isso, muitos perdem a fé nas instituições.

A primeira coisa que chama a atenção neste contexto é a exterioridade dos juízos coletivos sobre as pobres e indefesas imagens particulares. Bem valeria aquele dito de Nosso Senhor: “Quem não tiver pecado, atire a primeira pedra” (Jo 8, 7). E como os outros estão mais facilmente ante meus olhos do que eu mesmo, observo muito os erros destes e começo a duvidar de todo mundo. O outro transforma-se em meu inferno pessoal e isto é doentio! Pois, apesar de desde sempre haver corruptos, desde sempre também existem pessoas honestas, pecadoras em muitos pontos, mas honestas com suas responsabilidades. Não podemos perder a fé no ser humano!

A solução definitiva para a corrupção serão “os novos céus e novas terras onde habitará a justiça” (2Pe 3, 13), mas enquanto esperamos esta renovação, a solução serão leis mais rígidas que evitem os criminosos nos cargos públicos, inibindo as “manobras políticas” e as “trocas de favores” motivadas pelo egoísmo.

Sem dúvida, primeiro é necessário acabar com a impunidade, ou seja, quem comete o crime deve pagar por ele. Também é evidente que este movimento não se fará sem grandes contendas judiciais e políticas, pois os corruptos não querem perder seus esquemas iníquos e nem pagar pelos seus crimes, mas o cristão não pode ter medo da luz da verdade. O passo seguinte, será um conjunto legislativo baseado na verdade e na honestidade, visando o bem comum e a proteção dos mais frágeis de nossa sociedade.

Entender isso e aplica-lo também em nossa vida pessoal é um caminho possível de progresso. Não podemos desacreditar do homem ou das instituições, mas é preciso criar uma nova cultura de corresponsabilidade, justiça e fraternidade: sinal do Reino de Deus.

Dom Edney Gouvêa Mattoso, Bispo Diocesano de Nova Friburgo

link hotsite3

PARÓQUIAS DA DIOCESE

 

Pensamento da Semana

 O que nos dá alegria e nos aproxima de Deus devemos buscar para os irmãos.

Dom Edney Gouvêa Mattoso