facebook  webmail-2  IOS NOVO  AND NOVO  anuario-icone 

 

Newsletter

Inscreva-se aqui para receber as novidades da Diocese de Nova Friburgo.

A voz do pastor

23/11/2017, 12:40
creio-na-vida-eternaCaros amigos, não faz muito tempo que dedicamos uma reflexão sobre a morte e seu valor para a fé. Neste...
14/11/2017, 18:29
bem-aventurados-vos-os-pobres-porque-vosso-e-o-reino-de-deus-lc-6-20Queridos amigos, vivemos em um tempo de grande contradição aos conselhos evangélicos. A todo instante...
07/11/2017, 16:19
a-vida-transformadaCaros amigos, iniciamos o mês de novembro, que encontra sua tônica espiritual na Solenidade de Todos os...
30/10/2017, 17:50
arte-e-sociedadeCaros amigos, a arte é uma das expressões mais sublimes da cultura humana. Poderíamos dizer, inclusive,...
24/10/2017, 23:54
ensino-religioso-tolerancia-ou-intoleranciaCaros amigos, refletir sobre o tema da educação é urgente em nossa sociedade, cabe à Igreja, por...

Creio na Vida Eterna!

A voz do pastorCaros amigos, não faz muito tempo que dedicamos uma reflexão sobre a morte e seu valor para a fé. Neste artigo, voltamos ao tema para entender melhor a relação entre crer na ressurreição de Cristo e nossa vida, que caminha na esperança da Vida Eterna.

Cremos na vitória de Cristo sobre a morte e que ela foi alcançada para todos nós. Na cruz, Jesus transformou a finitude do ser humano em vida, abrindo-nos as portas da eternidade. Assim, a fé na ressurreição direciona nossa esperança: “Se morremos com Cristo, com Ele viveremos” (cfr. 2Tm 2,11).

A força da Páscoa nos chega pelos Sacramentos, a começar pelo Batismo. Por ele, recebemos a Vida nova que brota do lado aberto de Cristo na cruz e a fé que nos impulsiona para além das realidades deste mundo, sem negar, contudo, nossa condição de criaturas.

Assim, cada batizado experimenta já neste mundo algo da eternidade, e torna-se, com toda a Igreja, membro do Corpo de Cristo. Por isso, deve assumir a responsabilidade de anunciar e construir aqui o Reino de Deus.

A crença na Vida Eterna não nega em hipótese alguma o valor da vida presente, nem se traduz em inatividade ante as injustiças. Pois, a má compreensão da promessa da ressureição pode gerar atitudes equivocadas de passividade perante as obrigações sociais (cfr. 1 Tes 4, 11; 2 Tes 3, 10 s.; Ef 4, 28). Em vista disso, a Igreja sempre ensinou aos seus filhos que a fé deve conduzir às boas obras (cfr. Tg 2,14).

A fé é uma predisposição constante do espírito pela qual a vida eterna tem início em nós e que impulsiona a razão a aceitar aquilo que ainda não se vê. Apesar de a eternidade ainda não ser plenamente visível no mundo externo, ela é uma realidade, pois a trazemos em nós como uma semente que germina no campo deste mundo. Assim, a fé não é só uma inclinação da pessoa para realidades que hão de vir ela dá-nos viver algo da realidade esperada, e esta realidade presente constitui para nós uma prova das coisas que ainda não se veem. (cfr. Spe salvi, 7).

Se o presente decide o futuro, então o presente assume uma importância ainda maior. A fé em Jesus Cristo Ressuscitado sobrepõe ao homem a medida do eterno. Portanto, a ressurreição possui um valor atual, que influi diretamente no presente. Quem nega este valor, nega a si o sentido de ser cristão.

Dom Edney Gouvêa Mattoso, Bispo Diocesano de Nova Friburgo

link hotsite3

PARÓQUIAS DA DIOCESE

 

Pensamento da Semana

 O que nos dá alegria e nos aproxima de Deus devemos buscar para os irmãos.

Dom Edney Gouvêa Mattoso