Acessos: 57

Dom Rafael Llano Cifuentes - Atrairei a mim todas as coisas


A riquíssima história da Diocese de Nova Friburgo tem, sem sombra de dúvida, o protagonismo do Espírito Santo que conduziu e conduz essa pequena porção da Igreja Universal ao longo de seus 60 anos de existência.

Por isso, o Bom Deus sempre providenciou santos e grandes homens para que, à imagem de Cristo Bom Pastor, conduzissem a parcela do Povo de Deus presente nesta Igreja Particular. Cada qual, de acordo com a sua capacidade e com os talentos recebidos do Divino Mestre, se colocou a serviço do Reino de Deus, apascentando o rebanho que lhe foi confiando. Como não lembrar da proximidade pastoral de Dom Clemente Isnard, OSB! Não há como esquecer do acolhimento fraterno e das impecáveis pregações de Dom Alano Maria Pena, OP! E durante o curto (porém, intenso) período de cinco anos e meio a Diocese de Nova Friburgo foi agraciada pelo Criador com o pastoreio de Dom Rafael Llano Cifuentes.

Este grande devoto da Virgem de Guadalupe nasceu na cidade do México, a 18 de fevereiro de 1933. Durante algum tempo de sua infância morou em Cuba e depois se transferiu para a Espanha. Licenciado em Direito Civil pela Universidade de Salamanca, em 1955. Doutorado em Direito pela Universidade de Salamanca, em 1956. Conheceu o Opus Dei em sua juventude na cidade de Madri e pediu admissão como Numerário em 1949. Em Roma pôde estar muito próximo do fundador do Opus Dei, São Josemaria Escrivá. Recebeu a ordenação sacerdotal no dia 20 de dezembro de 1959. Em 1961 inicia um fecundo trabalho pastoral no Brasil. Em 1975 esteve entre o que iniciaram o trabalho do Opus Dei no Rio de Janeiro. Durante esse período dedicou-se com muita vibração ao trabalho entre os jovens, assim como entre pessoas casadas, e ao acompanhamento espiritual de muitos sacerdotes diocesanos.

Nomeado Bispo Titular de Mades e Auxiliar do Rio de Janeiro a 4 de abril de 1990, é ordenado Bispo em 29 de junho de 1990. Adotou como lema: “Omnia traham ad meipsum” (Atrairei a mim todas as coisas). Criador, na Coordenação da Pastoral da Juventude, dos denominados “Encontros Jovem-Rio” que acontecia a cada dois anos em união com o Papa nas Jornadas Mundiais da Juventude. Nomeado Bispo da Diocese de Nova Friburgo pelo Santo Padre Papa João Paulo II em maio de 2004, tendo tomado posse no dia 20 de junho de 2004, onde permaneceu até o dia 20 de janeiro de 2010, quando Sua Santidade, o Papa Bento XVI aceitou sua renúncia.

O pastoreio de Dom Rafael em nossa Igreja Particular é frequentemente associado à construção do novo prédio do Seminário Diocesano, inaugurado em 19 de agosto de 2006, apenas dois anos após sua posse em nossa Igreja Particular. Porém, essa obra não se resume apenas em uma construção visível. Com essa empreitada, esse santo Bispo inaugurou uma nova mentalidade na Diocese de Nova Friburgo; ele mostrou que, confiando na Providência Divina e com dedicação, era, sim, possível concretizar o que muitos consideraram inviável de ser realizado. Quantas obras foram realizadas em diversas Paróquias com sucesso depois que o Seminário foi inaugurado! Isso graças à renovada coragem que padres e leigos adquiriram ao ver Deus agindo através de construção do novo Seminário. Templos, centros pastorais e casas paroquiais, reformadas ou construídas: tudo era fruto de novo modo de pensar! Dom Rafael nos ensinou que ao valorizar o ambiente, nós nos valorizamos também e saberemos, assim, também valorizar os outros. Ele dizia aos seminaristas: “Vocês não vão ser tratados como ´senhoritos´ no novo Seminário, mas como senhores!”. Pensando no bem dos futuros padres, o pastor pensava no bem do povo de Deus e como este um dia seria tradado.

Humano, sem deixar de ser santo. Santo, sem deixar de ser humano. Quando Dom Rafael tomou posse em nossa Diocese já contava com mais de 70 anos e sua saúde já não se encontrava em tão bom estado. Suas forças, porém, eram renovadas diante do Senhor. Quem o acompanhava de perto, além de seus compromissos públicos, teve a certeza de estar na presença de um homem de profunda oração. Podemos recordar vários exemplos, como nas viagens de carro, onde ele sempre aproveitava para recitar o Rosário e a Ladainha, ou nas vezes que se detinha diante do Sacrário em sua residência durante várias vezes por dia. Meu testemunho pessoal, que fui seu cerimoniário, vêm das Procissões de Corpus Christi realizadas na cidade de Nova Friburgo: mesmo diante da imensa multidão que inevitavelmente poderia causar tantas distrações, em nenhum momento ele desviava o olhar de Jesus Sacramentado solenemente exposto no ostensório.

Toda essa espiritualidade era refletida no trato com as pessoas. Quantas vezes se dizia que Dom Rafael conseguia “sorrir com os olhos”. Gostava muito, como ele mesmo repetia constantemente, de quebrar os protocolos das formalidades. Presava a espontaneidade, a alegria, o sorrir, a naturalidade: tudo fruto da intimidade com Deus que se fez humano sem deixar de ser Deus. Seu empenho de fortalecer as missões populares em nossa Diocese era o esforço de uma Igreja mais presente no meio da sociedade e não fechada em si mesma.

O Bom e Clemente Deus recompense Dom Rafael Llano Cifuentes por todo serviço prestado não só na Diocese de Nova Friburgo, mas também ao Reino de Deus espalhado pelo mundo inteiro. E que nós, diocesanos dessa Igreja Particular, hoje conduzidos pelo nosso querido Dom Luiz Antonio Lopes Ricci, possamos seguir os bons exemplos deste santo homem que um dia foi colocado diante de nós para ser a imagem do Bom Pastor.


Nova Friburgo-RJ, 04 de agosto de 2020


Pe. Marcus Vinícius Moreira Falcão
Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, em Conceição de Macacu


Compartilhe