Acessos: 34

São Pedro e São Paulo - Celebrando a Igreja


A tradição na Igreja considera São Pedro e São Paulo as duas colunas. Por que colunas? Porque possuem forte alicerce: “Cristo”, que as sustenta para serem pilares que suportam edificações e telhados. São servidoras que garantem força e segurança ao Povo de Deus a partir do alicerce em que se afirmam.

São Pedro descreve em sua história a nossa humanidade com sua realidade de virtudes e ambiguidades. Todos nós discípulos de Jesus nos vemos muito de perto na pessoa de Pedro. Por isso o povo o acolhe como alguém muito “gente”: pescador, liderança, apaixonado, impulsivo, fiel e também medroso.

São Pedro é aquele que afirma Jesus ser “ O filho de Deus Vivo”, mas que também recebe do Senhor a censura “sai de mim satanás, porque pensas como o homem e não como Deus”. Mas é o primeiro que chega no túmulo vazio e também aquele que em Pentecostes inicia a missão pública da Igreja.

Paulo de Tarso significa os que serão discípulos e o novo Povo de Deus, após e Ressurreição. Rabino e perseguidor dos cristãos por zelo à fé e unidade mosaica. É quem assiste o apedrejamento do primeiro mártir cristão Santo Estevão.

São Paulo foi alcançado pela graça através do Senhor Cristo Ressuscitado e aqui está todo o eixo da pregação de Paulo: “ Somos alcançados pelo Senhor Jesus.”

Paulo como Pedro pregam e buscam a conversão primeiramente do Povo da Promessa: Israel. Porém Paulo, totalmente revisitado pelo Senhor Jesus, percebe que a Salvação é para toda humanidade: “Em Jesus Cristo não há judeu ou grego, homem ou mulher, escravo ou livre”.

Enquanto São Pedro é a comunidade instituída e vivida na missão do Cristo até a Ascensão, São Paulo é o Povo de Deus que acolhe na fé o homem novo redimido e também construtor do Reino de Deus, marcando a história em História da Salvação: -“Novo céu e uma nova terra”.

O povo, principalmente os pescadores, sentem em São Pedro e São Paulo grande proximidade como pescadores e artesãos que foram. O povo vê nesses dois apóstolos uma ressonância do Senhor Jesus que também o envolve.

Por isso, a festa desses dois apóstolos é, sobretudo, a festa da Igreja-Povo de Deus que celebra a si mesma como resposta hoje do compromisso libertador evangélico.


Nova Friburgo-RJ, 06 de julho de 2020


Pe. João Machado Evangelho
Pároco da Paróquia São Paulo Apóstolo - Macaé


Compartilhe